|
  • Bitcoin 102.694
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 23/06/2022, 20:49

Bolsonaro diz que "exagerou" sobre botar cara no fogo por Ribeiro

Em live semanal, presidente critica prisão de seu ex-ministro da Educação e agora diz que bota a mão no fogo por ele

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 23 de junho de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira (23) que "exagerou" ao afirmar que botaria a "cara no fogo" pelo ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, que foi preso na última quarta-feira (22), mas solto nesta quinta (23) por decisão da Justiça. Apesar disso, o chefe do Executivo criticou a detenção de Ribeiro e disse que ela foi dada por um juiz que já deu outras decisões contrárias ao governo e que tenta "desgastar" sua gestão.

"Eu falei lá atrás que botava a cara no fogo por ele. Eu exagerei, mas boto minha mão no fogo pelo Milton, assim como boto por todos meus ministros porque, pelo que conheço deles, vivência e etc, dificilmente alguém vai cometer um ato de corrupção", disse em sua live semanal. Na quarta, Bolsonaro havia dito que Ribeiro deveria responder pelos seus atos.

LEIA TAMBÉM:

Ex-ministro de Bolsonaro passou por Londrina em 2020
Justiça determina prisão preventiva de ex-ministro do MEC

"Ele que responda pelos atos dele, eu peço a Deus que não tenha problema nenhum", disse o presidente, em entrevista à rádio Itatiaia de Minas Gerais. "Se a PF prendeu, tem um motivo, e o ex-ministro vai se explicar", completou.

Ainda na entrevista, Bolsonaro disse que Ribeiro mantinha "conversa informal demais com algumas pessoas de confiança dele" e que isso pode ter o prejudicado na negociação com prefeitos.

O presidente disse ainda na quarta que a operação era sinal de que a Polícia Federal estava trabalhando em seu governo, sem interferência.

Dias antes de demiti-lo, em março passado, Bolsonaro disse que colocava a "cara no fogo" por Ribeiro, que é evangélico e pastor, mas diante das revelações perdeu o apoio até mesmo de integrantes da bancada evangélica no Congresso.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1