|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Política 5m de leitura Atualizado em 12/01/2022, 19:33

Bolsonaro ataca Barroso e Moraes, do STF, e os acusa de ameaçar liberdades

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O presidente Jair Bolsonaro (PL) fez novos ataques, nesta quarta-feira (12), aos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).O mandatário acusou os dois magistrados de ameaçar e cassar "liberdade democráticas" com o objetivo, segundo Bolsonaro, de beneficiar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)."Quem esses dois pensam que são? Que vão tomar medidas drásticas dessa forma, ameaçando, cassando liberdades democráticas nossas, a liberdade de expressão porque eles não querem assim, porque eles têm um candidato. Os dois, sabemos, são defensores do Lula, querem o Lula presidente", declarou

Bolsonaro, durante uma entrevista ao site Gazeta Brasil. Bolsonaro foi questionado por um dos entrevistadores sobre um recente artigo em que Barroso defende a regulação das redes sociais. No texto, o ministro cita o "aparecimento de verdadeiras milícias digitais, terroristas verbais que disseminam o ódio, mentiras, teorias conspiratórias e ataques às pessoas e à democracia". "De terrorismo ele [Barroso] entende.

Ele defendeu o terrorista Cesare Battisti, italiano que matou quatro pessoas de bem", declarou Bolsonaro. O mandatário afirmou ainda que Barroso teria conseguido sua indicação ao STF, no governo Dilma Rousseff (PT), por ter atuado na defesa de Battisti."Acusar de terrorismo? Quando se fala em matar gente, terrorismo, eu aponto os quatro cadáveres do Battisti. Qual crime eu cometi, senhor Luís Roberto Barroso? Que crime eu cometi? Quais foram as fake news que eu pratiquei? Falam que tem um gabinete do ódio, me apresente uma matéria que seria do gabinete do ódio", afirmou o presidente.Em seguida, Bolsonaro investiu contra Moraes e lembrou o julgamento, pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que rejeitou a cassação da chapa presidencial por participação em esquema de disparo em massa de fake news nas eleições de 2018.

Na ocasião, Moraes, que será presidente do TSE em 2022, afirmou que, se houver disparo em massa de fake news nas próximas eleições, os responsáveis serão cassados e "irão para a cadeia por atentar contra as eleições e a democracia"."Eu fui julgado no TSE, a chapa Bolsonaro-Mourão, no final do ano passado; e lá foi a vez do senhor Alexandre de Moras falar claramente: 'houve sim fake news, houve disparo em massa, sabemos; no ano que vem –que é neste ano– se tiver vamos cassar o registro e prender o candidato'", afirmou Bolsonaro."Olha, isso é jogar fora das quatro linhas [da Constituição], eu só tenho isso a dizer a vocês. Eu sempre joguei dentro das quatro linhas. Não se pode falar em terrorismo digital. Que terrorismo é esse? É o que ele acha que é? Quem são os checadores de fake news no Brasil? Contratados a troco de quê?"

Bolsonaro também criticou a decisão do TSE de cassar o deputado estadual Fernando Francischini (PSL-PR) pela disseminação de fake news. No dia da eleição de 2018, Francischini divulgou vídeo em que afirmou que as urnas eletrônicas haviam sido fraudadas para impedir a votação no então candidato Bolsonaro.Nesta quarta, Bolsonaro alegou que Francischini disse a verdade no vídeo."   Por que o TSE cassou um deputado [estadual] do Paraná que tinha 400 mil votos? Que começou a fazer uma live 10 minutos antes de acabar as eleições em 2018 e falou a verdade na live, não mentiu. Que o pessoal ia apertar o 17 [número do candidato] aparecia a cara do Lula. Uma verdade, cassou por causa disso", declarou.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM