|
  • Bitcoin 118.109
  • Dólar 5,2177
  • Euro 5,3453
Londrina

Política

Atualizado em 24/09/2019, 15:38

Assessor de Boca Aberta joga água em Jamil Janene em audiência pública

Ato deflagrou confusão entre o vereador e assessores do deputado federal

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 24 de setembro de 2019

Luis Fernando Wiltemburg - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Jamil Janene (PP) discursa com a camisa molhada em audiência pública na Câmara de Londrina Jamil Janene (PP) discursa com a camisa molhada em audiência pública na Câmara de Londrina
Jamil Janene (PP) discursa com a camisa molhada em audiência pública na Câmara de Londrina |  Foto: Imprensa/CML/Devanir Parra
 

O vereador Jamil Janene (PP) foi atacado com um copo d’água por uma pessoa presente na audiência pública promovida na noite desta segunda-feira (23), na CML (Câmara Municipal de Londrina), identificada posteriormente como assessor do deputado federal Emerson Petriv (PROS), o Boca Aberta. A reunião foi promovida para discutir o PL (projeto de lei) do pepista que pretende instituir multa a quem for flagrado enquanto consome drogas em áreas públicas.  

O tumulto iniciado com a agressão continuou com pelo menos cinco pessoas vestidas com a camisa característica do deputado federal, que é desafeto político de Janene. A sessão foi transmitida ao vivo pela internet e pode ser vista no canal do Legislativo no Youtube. 

VEJA O MOMENTO DA AGRESSÃO:

A agressão ocorreu enquanto Janene discursava sobre os motivos que o levaram a elaborar o PL. A gravação apenas mostra a água caindo sobre o vereador. Em seguida, em plano aberto, é possível ver um homem, de costas, vociferando contra o pepista e apontando-lhe o dedo. Entretanto, não é possível ouvir o que o agressor diz ao vereador, que está ao microfone. "Eu dou voz de prisão para ele agora. Eu tenho o poder, eu dou voz de prisão para ele agora. Ele me agrediu aqui. Eu dou voz de prisão para você, seu mal educado. Você é mal-educado", reagiu o vereador. 

Então, virando-se para a plateia, Janene pede para que fossem retiradas pessoas ao fundo, dizendo-se ofendido por elas. Neste momento, levantam-se pelo menos cinco pessoas com a camisa do deputado Boca Aberta e começam a bater boca com o vereador. 

Jairo Tamura (PL), que presidia os trabalhos, ainda tenta suspender a sessão por cinco minutos, mas os presentes com camisa do deputado não param de bater boca, separados do vereador no púlpito por seguranças da casa e um policial militar. A confusão durou cerca de três minutos. 

Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, o autor da agressão assinou a lista de presença como Ary Júnior e colocou como profissão auxiliar de enfermagem. Um assessor parlamentar com o nome Ary Antunes Júnior consta na lista de 24 assessores parlamentares ativos de Boca Aberta na Câmara Federal, desde 5 de fevereiro de 2019, com remuneração provisória bruta de 3.451,45 e auxílios de 1.737,94. 

VERSÕES 

Segundo Janene, o agressor, que não estava “uniformizado”, arremessou a água e passou a ameaçá-lo. “Ele dizia ‘você não vai mais falar o nome do deputado [Boca Aberta] e, se você falar, a gente vem aqui te pegar’”, conta.  

Após a voz de prisão, ainda segundo o vereador, os outros participantes com a camiseta do deputado levantaram-se e passaram a fazer ameaças parecidas, dizendo que, se ele voltasse a falar mal de Boca Aberta, “eles me buscariam em qualquer lugar do Paraná”. As ameaças, ainda de acordo com Janene, foram permeadas de outras frases que o deputado costuma desferir contra ele. 

Janene acredita que, se não fosse a interferência da segurança da CML e da PM, ele seria agredido em plenário. “Ficou muito feio, foi muita baixaria. Eles não vieram discutir o PL, vieram para falar do deputado. Mas é a imagem da Câmara e de Londrina que será comentada. Como será que está nossa imagem lá fora?”, questiona. 

Procurado, Boca Aberta confirmou que Ary Júnior é seu assessor parlamentar, mas defendeu-se que dizendo que não pode controlar as ações de todas as pessoas sob seu comando a 1.200 quilômetros de distância. “Não é a primeira vez que minha equipe vai a eventos da prefeitura ou da Câmara. E, neste dia [segunda], assim como em outros, o Jamil [Janene] tem me atacado”, disse o deputado, antes de acusar Janene de entrar “pela porta dos fundos da Câmara” - segundo suplente da coligação pela qual disputou a eleição, o pepista só assumiu após o prefeito Marcelo Belinati (PP) nomear Marcelo Madureira (PP) e Tio Douglas (PTB), o primeiro suplente, para cargos no Executivo. 

Boca Aberta ainda disse que “tem dó da água, que poderia matar a sede de alguém”, e que seu asssessor deveria ter jogado "um prato de m...”.

Questionado se o assessor sofreria algum tipo de punição ou advertência, Boca Aberta disse que vai “premiá-lo com uma medalha de honra ao mérito”.