|
  • Bitcoin 102.473
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

EDITORIAL

Atualizado em 21/09/2019, 00:05

Vacinas: de decisão pessoal a saúde pública

PUBLICAÇÃO
sábado, 21 de setembro de 2019

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Os perigos de um mundo sem vacina podem ser vistos em vários livros e filmes que mostram histórias de um passado nem tão distante. No início do século passado não havia imunização para muitas doenças e era grande o número de crianças que morriam antes de completar cinco anos de idade. Eram cruéis as consequências de enfermidades que hoje estão extintas ou ficaram desaparecidas por um período. É o caso do sarampo,  que desde o ano passado voltou a assombrar e este ano causou a morte de quatro pessoas no País.  Em reportagem deste fim de semana, a FOLHA mostra que à medida em que o índice de vacinação caiu no Brasil, reapareceram e se multiplicaram os casos de sarampo. 

De acordo com o os dados do Programa Nacional de Imunizações, a taxa de cobertura vacinal no Brasil caiu de 95% em 2015 para 71% em 2018. No Paraná, a Tríplice Viral, que imuniza contra caxumba, rubéola e sarampo é a que menos alcança a meta determinada pelo governo (95%). Segundo estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde, desde 2012, quando chegou à média de 99% entre as regionais, a vacina nunca mais alcançou a meta, caindo para 85% em 2017.

Com a atualização realizada nesta semana pelo Ministério da Saúde, o Brasil apresentou quase quatro mil casos de sarampo nos últimos 90 dias, sendo a maioria no Estado de São Paulo. 

 Com vários países em alerta, o surto não se mostra uma particularidade nacional, mas a redução na taxa de vacinação coloca a Saúde em preocupação. Comparando a cobertura vacinal de 2012 com a de 2017, há quedas relevantes até para as vacinas que sempre tiveram alta taxa de cobertura, como a BCG.

Quem não se vacina coloca em risco não apenas a sua saúde, como a de familiares, amigos e pessoas com quem tem contato. Além disso, contribui para aumentar a circulação de doenças. Há muitos fatores que influenciaram para que o índice de vacinação despencasse. No mundo existe uma onda antivacina que pode não ter conseguido grande expressão no Brasil, mas é claro que ajudou a construir esse cenário. 

Na opinião de um dos entrevistados pela FOLHA, o  médico e professor José Cássio de Moraes, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, fatores sociais, culturais e econômicos podem estar envolvidos na queda da imunização da população brasileira. Ele cita como exemplo o período de funcionamento das unidades de saúde (horário comercial) que acaba dificultando o acesso a famílias. 

Em se tratando de vacinação, é importante saber que a decisão de um pai ou mãe afeta a vida do filho e de muitas outras pessoas. Não se trata apenas de uma escolha pessoal. No caso do sarampo, já virou questão de saúde pública. 

Obrigado por acompanhar a FOLHA!