Vacinação e ocupação de leitos


Folha de Londrina
Folha de Londrina

Pela primeira vez desde o feriado de Proclamação da República, celebrado em 15 de novembro, a ocupação de leitos de UTIs (unidades de terapia intensiva) do SUS no Paraná ficou abaixo de 70%. A boa notícia consta do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (21) pela Secretaria de Estado da Saúde. A ocupação está em 68%, contra 69% de oito meses atrás. Desde então, a ocupação sempre ficou acima desse índice, mesmo com aumento de leitos, de 898 para 1.949 (crescimento de 117% no atendimento). 


O principal fator que influenciou na redução da pressão por leitos de UTI de Covid é o avanço da vacinação no Estado. O índice já chegou a 63% da população vacinável com ao menos uma dose. Mais de 20% já estão com proteção completa. Também foi registrada queda nas taxas de transmissão. 


Em Londrina, com a proximidade do recebimento de novos lotes de imunizantes, a Secretaria Municipal de Saúde anunciou a ampliação na idade liberada para vacinação. Cerca de 13 mil pessoas com mais de 37 anos já podem agendar a vacinação no portal da Prefeitura de Londrina.  


Até a noite desta terça-feira (20), o município aplicou 371.470 doses: 263.427 são referentes às primeiras doses, 97.225 às segundas e 10.818 doses únicas. A partir deste sábado, serão disponibilizadas 28 mil vagas para a aplicação das duas doses nas cinco salas de vacinação do município.   


Ainda que alguns dos indicadores sejam positivos, a pandemia de coronavírus está longe de dar trégua. Os cuidados básicos como distanciamento social, uso constante de álcool em gel e de máscaras continuam muito importantes.  


A prova disso é o alto número de mortes que vem sendo registrado no Estado mesmo com o avanço da campanha de imunização. Foram 84 óbitos, totalizando 33.804 desde o início da pandemia. O número de casos passou para 1.345.871, com 3.008 novas confirmações.  


A preocupação, principalmente com o avanço da variante Delta, levou o governo federal a tomar outras medidas importantes. Na terça-feira (20), em Foz do Iguaçu, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou o envio de mais doses de vacina para a região da Tríplice Fronteira. O objetivo é reduzir o risco de transmissão em locais de grande circulação entre países. 


“O Paraná está cada vez mais próximo de atingir a meta de vacinação, e já estamos criando um escudo imunológico contra o coronavírus. A vacina nesse momento é fundamental, ninguém pode deixar de tomar a segunda dose, ninguém pode simplesmente se recusar a tomar a vacina”, destaca o secretário estadual de Saúde, Beto Preto. Não podemos deixar de fazer a nossa parte.

 

Obrigado por ler a FOLHA 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo