ESPAÇO ABERTO -

Triste realidade


A OAB não representa mais os advogados.

A CNBB não representa mais os católicos.

A ONU não representa mais a paz mundial.

O STF não representa mais a justiça.

O Legislativo não representa mais os interesses do povo.

As instituições se tornaram militância. 

Pois é, este texto foi repassado a semana passada por toda internet e WhatsApp, e a realidade é a seguinte, como dizia o pensador e ex- presidente dos EUA Abraham Lincoln: “ Você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo”.

Depois que inventaram a internet até os mais simples dos seres humanos têm acesso a realidade, a mais pura verdade, nua e crua. A máxima do insigne Abraham Lincoln mesmo 160 anos após é tão atual como a mais moderna tecnologia do planeta, internet e WhatsApp.



Parte substancial, na atualidade, dos políticos, jornalistas, judiciário e afins, quando almejam induzir a sociedade a pensamentos equivocados, as informações são agora desmentidas praticamente em tempo real.

Quanto as fake news, causam infinitamente menos danos do que as inverdades conspiratórias construídas contra os interesses sociais, morais e educacionais mais puros e desenvolvimentistas da sociedade.

Quando vemos juristas de mentes brilhantes do quilate do professor emérito Ives Granda Martins manifestando-se na internet contra a invasão dos poderes e em defesa da democracia e lemos na internet parecer do jurista e professor emérito René Ariel Dotti apresentado no STF citando monografia, advertindo: “Se os tribunais tivessem em cada caso o poder arbitrário de definir seu próprio critério de julgamento, haveria a institucionalização do abuso, como desrespeito ao princípio cardeal de Justiça”, tem que ser indagado, como pode estas instituições em movimentos uniformes efetuarem enfrentamento a uma sociedade toda contra seus interesses acreditando que podem manipulá-la?

Suas ferocidades são tamanhas que as cegaram e não se deram conta que estão em contagem regressiva, cada uma à sua maneira. Esses militantes não têm a sensibilidade de perceberem que o silêncio dos inocentes, com toda essa tecnologia, é que vai acabar decidindo o lado humano e cristão da questão, na hora oportuna.

Não existe mais lugar para oportunismos da esquerda. O silêncio ensurdecedor do povo é também arrebatador, a história da humanidade nos mostra isso.

A manifestação de pensamento, a livre manifestação, não é somente uma questão constitucional, mas antes de tudo moral, é ilimitado por quem quer que seja. Quem a impede, ou contribui para tanto, com atos e omissões, além da perversidade criminosa, embarca numa aventura sem volta. O efeito reverso e indubitável.



Bruno Pedalino (advogado) Londrina 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo