EDITORIAL -

Segurança em jogo


Folha de Londrina
Folha de Londrina

Por que a situação da segurança pública do Ceará interessa aos outros estados? O Paraná, mesmo a uma distância de mais de 3.000 quilômetros, acompanha com preocupação os dias tensos que os cearenses vivem. Situação que atingiu o máximo da aflição na última quarta-feira (19) quando o senador Cid Gomes, pilotando uma retroescavadeira, tentou furar o bloqueio feito por policiais em greve diante de um batalhão da Polícia Militar, na cidade de Sobral, e acabou sofrendo duas perfurações por arma de fogo.    


O clima de insegurança começou com a paralisação dos policiais militares, que reivindicam aumento de salário. Mas esse movimento que já atingiu forças de segurança de outros Estados mostra que muitos governantes estão incapazes hoje de negociar e controlar as suas polícias.  



O resultado do impasse é uma onda de violência assustadora. Desde o início do movimento, na terça-feira (18), 51 pessoas foram assassinadas no Ceará. Hoje é registrado um assassinato por hora.  

Por causa da instabilidade com policiais militares, ao menos cinco prefeituras do interior cearense decidiram, na sexta-feira (21), cancelar a festa de Carnaval. 


Dois ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) criticaram o movimento grevista iniciado pelos policiais militares do Ceará. Alexandre de Moraes afirmou que a paralisação é “ilegal” e “inadmissível”. Para Moraes, que já foi secretário de Segurança de São Paulo e ministro da Justiça, os disparos contra o senador têm consequências tanto na Justiça comum quanto na criminal.  


O ministro Ricardo Lewandowski afirmou que é extremamente preocupante uma greve de policiais militares ou qualquer corporação armada. “É constitucionalmente vedado que corporações armadas façam greve". 


Em 2017, o plenário do STF decidiu que todos os servidores que atuam diretamente na área de segurança pública não podem exercer o direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, por desempenharem atividade essencial à manutenção da ordem pública. 


Não se questiona aqui se a reivindicação salarial dos policiais é justa ou injusta. Esse ponto deve ser discutido e negociado entre executivo estadual e quem representa a categoria. O problema é a situação de motim, com policiais encapuzados percorrendo a cidade em viaturas para intimidar comerciantes, obrigando-os a fecharem as portas dos estabelecimentos.   


As armas compradas para assegurarem a segurança da sociedade não podem ser usadas para intimidações e nem em favor apenas daqueles que deveriam usá-las no trabalho pelo bem da comunidade.   

Hoje, espera-se das autoridades e dos grevistas um entendimento no sentido de preservar os serviços da área de segurança para que a onda de violência não faça mais vítimas e a população possa ir e vir em paz.  

 

Obrigado por acompanhar a FOLHA! 

 

 

 

 

 



 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias