Há 30 anos, Curitiba adotou uma equação virtuosa de desenvolvimento, que a consagrou como referência para o Brasil e para o mundo. A cidade conjugou um planejamento urbano de vanguarda com um alto grau de desenvolvimento econômico e um grande avanço social. O princípio fundamental, que a cidade elegeu como padrão, é o de que o homem é o centro de todas as coisas, ou seja, que tudo deve ser pensado a partir das pessoas.
Sempre com visão estratégica, que vem garantindo o domínio de seu crescimento, Curitiba é, de longe, a capital brasileira que mais rapidamente pode vencer os desafios sociais. Porque aqui eles são menores e porque as bases sobre as quais estamos propondo o avanço são mais sólidas do que nos outros grandes centros urbanos.
Fazer de Curitiba a capital social do País é, assim, uma proposta e uma determinação que podemos assumir com a segurança de quem já fez parte fundamental da tarefa.
Curitiba é a capital brasileira campeã em crianças atendidas por creches; a educação, entre as melhores do País, está em constante avanço; o sistema de saúde pública, pioneiro em inovações como o médico da família, terá os investimentos duplicados a partir de 2001; o transporte coletivo, referência para cidades do Primeiro Mundo, é de alta eficiência e de grande alcance social, sendo o único do País a contar com integração completa do sistema, o que permite aos usuários percorrer vários trajetos com uma única tarifa; e, fato de grande eloquência social, a cidade será, já em 2003, a primeira capital brasileira a ter toda a sua população atendida por coleta e tratamento de esgotos, graças ao maior programa de saneamento de sua história.
Além de todo esse conjunto de conquistas, Curitiba conta ainda com duas vantagens. Uma é o excelente clima econômico da cidade, que se consolida como pólo industrial de peso e dá um salto notável no setor de serviços. É a melhor cidade brasileira para se fazer negócios, o que coincide com a condição de capital que mais rapidamente está revertendo as taxas de desemprego, que caíram de 11,7%, em 1997, para os atuais 5,46%. Outra, é a invejável saúde financeira da prefeitura, que proporcionalmente detém o melhor orçamento entre as capitais, com comprometimento de menos de 50% de suas receitas líquidas com pagamento de pessoal. Ou seja, uma prefeitura com grande capacidade de investimento, o que se traduzirá em mais obras e melhor prestação de serviços, elevando a qualidade de vida de todos.
Participante ativo das transformações de Curitiba e prefeito nos últimos quatro anos, disputo um novo mandato para fazer de Curitiba a capital social do País.
Ampliando a atuação nas áreas de segurança (em parceria com o governo do Estado), habitação, educação, saúde e, com destaque, na geração de empregos e melhor integração com a Região Metropolitana, tenho a certeza de que Curitiba consolidará suas conquistas e projetará um grande salto para o futuro.
- CASSIO TANIGUCHI (PFL), 59 anos, engenheiro e urbanista, prefeito de Curitiba desde 1997, é candidato à reeleição

VANHONI – CURITIBA
Os curitibanos optam
pelas propostas sérias