|
  • Bitcoin 141.421
  • Dólar 4,8152
  • Euro 5,1446
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 18/04/2022, 20:08

Ousadia e terrorismo

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 18 de abril de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

Foto: PMPR/Divulgação
menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Ousadia e terrorismo Imagem ilustrativa da imagem Ousadia e terrorismo
|  Foto: PMPR/Divulgação
 

O ataque de um bando fortemente armado a uma empresa de transporte de valores em Guarapuava (Centro) na madrugada desta segunda-feira (18) levou pânico aos moradores do município de mais 180 mil habitantes e mostrou mais uma vez que o Paraná segue na rota das ações praticadas pelo chamado “novo cangaço”. O modus operandi utilizado pelos criminosos no assalto de ontem é similar ao dos ataques a agências bancárias ocorridos em pequenos municípios do Estado em um passado recente.  

Sem temor e pudor algum, as quadrilhas desafiam a segurança pública ao praticar os crimes com um grande potencial armamentista, incluindo explosivos, escorado em uma logística ousada e, o que é mais revoltante, utilizando a própria população como escudo humano para que possam fugir sorrateiramente e de forma impune das cidades-alvo onde espalham o terror. 

A ação em Guarapuava ganhou repercussão instantânea nas redes sociais à medida que vídeos gravados pelos próprios moradores mostravam as cenas de guerra registradas no entorno do local do assalto. Os cerca de 30 criminosos bloquearam as vias de acesso ao município e chegaram a encurralar a própria Polícia Militar incendiando veículos na entrada do 16º Batalhão da PM. 

LEIA TAMBÉM:

Inteligência da PM sabia da ação em Guarapuava, diz comando-geral
Quadrilha aterroriza Guarapuava durante tentativa de assalto

O comandante-geral da PM no Paraná, coronel Hudson Leôncio Teixeira, afirmou em entrevista coletiva ontem que os criminosos que agiram em Guarapuava seriam pessoas de dentro do Estado e que a polícia vai investigar se há ligação da quadrilha com ações semelhantes ocorridas recentemente em Criciúma (SC) e Araçatuba (SP). 

Teixeira e o secretário estadual de Segurança Pública, Rômulo Marinho, que também é coronel, disseram ainda que o serviço de inteligência das forças de segurança do Estado já havia identificado a possibilidade de que uma quadrilha invadisse Guarapuava e preparou um plano de contingenciamento para conter a ação de criminosos. O ministro da Justiça, Anderson Torres, colocou a Polícia Federal no caso e cobrou da classe política leis mais duras na punição aos "novos cangaceiros". 

Se há realmente um trabalho de prevenção na ação das quadrilhas do “novo cangaço”, é primordial que aconteça de forma integrada com as demais forças de segurança para combater esse tipo de banditismo e evitar que a população continue à mercê da ousadia dos criminosos. Ainda que no caso de Guarapuava a PM tenha conseguido evitar a consumação do assalto – o que ainda não é possível cravar – a sensação de insegurança é latente.  

O serviço de inteligência da Polícia Militar depende de investimento e constante preparo, haja vista a ousadia com que os quadrilheiros atuam. Os paranaenses exigem que os impostos pagos para sustentar a segurança pública no Estado sejam empregados de forma a garantir uma polícia preparada e eficiente.  

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link