|
  • Bitcoin 105.795
  • Dólar 5,2368
  • Euro 5,5080
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 04/03/2022, 19:51

OPINIÃO DO LEITOR - Uma distopia real na Ucrânia

Leitor da Folha de Londrina escreve sobre a invasão russa na Ucrânia

PUBLICAÇÃO
sábado, 05 de março de 2022

.
AUTOR autor do artigo

Foto: Aris Messinis / AFP
menu flutuante

A Europa pode ser palco de uma nova guerra. E pior, uma guerra que pode se estender ao mundo. A tomada de usinas nucleares da Ucrânia pela Rússia, como está acontecendo, preocupa a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)- sigla traduzida para o português. O incêndio perto das instalações da maior usina nuclear da Europa ,Zaporizhzhya, na Ucrânia, no início dessa sexta-feira (4), traz muita preocupação na Europa, embora a AIEA tenha divulgado que não foi registrado aumento de radioatividade onde a usina está instalada.

Parece roteiro de filme, mas não é. Mesmo "007 contra a chantagem atômica", com Sean Conery, ou "dr Fantástico", com Peter Sellers, este com o diretor Stanley Kubrick, não fariam melhor. Há uma espécie de desespero pela região da Ucrânia a qualquer custo por parte da Rússia. Por volta de 1993 tinha mais de 1600 ogivas nucleares em seu território. O Reino Unido, os Estados Unidos e a Rússia assinaram, em 5 de dezembro de 1994, com a Ucrânia, o Memorando de Budapeste em que foi acordado que abriria mão das armas nucleares deixadas em seu território. Com isso, receberia segurança e o reconhecimento como país independente. Mais de 500 mil refugiados estão batendo à porta da Polônia (que recebeu em torno de 377 mil ucranianos), Eslováquia, Hungria ,Romênia, Moldávia e Belarus. Uma crise humanitária de enorme proporção.

Imagem ilustrativa da imagem OPINIÃO DO LEITOR - Uma distopia real na Ucrânia Imagem ilustrativa da imagem OPINIÃO DO LEITOR - Uma distopia real na Ucrânia
|  Foto: Aris Messinis / AFP
 

Se Zigmunt Bauman estivesse vivo talvez escrevesse “Guerra líquida”, pois nem a guerra é a mesma. Em novos tempos a guerra é mais complexa e qualquer movimento brusco pode desencadear efeitos inimagináveis. Talvez a solução fosse a Ucrânia ser um país neutro, (nem Rússia, nem Europa), mas para o ocidente é muito complexo entender aquela região. Uma coisa parece certa: o mundo todo sofrerá com os acontecimentos que se sucederem no norte do mundo. 

Dailton Martins (comerciante) Londrina 

Foto: Aris Messinis / AFP

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.
COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]