Evolução
Um dia destes, liguei o televisor; estava iniciando o primeiro debate televisivo entre o sr. Al Gore, democrata, e o sr. George W. Bush, republicano, candidatos à presidência dos Estados Unidos. Fiquei atento ao debate e pude constatar o alto nível dos candidatos que responderam a perguntas formuladas por um competente jornalista norte-americano. Os dois são altamente preparados; conhecem a fundo a importante missão a desempenhar.
Senti-me privilegiado por assistir a manifestação das propostas políticas dos dois ilustres homens que pretendem presidir o mais importante país da Terra. Como sabemos, os Estados Unidos da América é a maior potência econômica, científica e bélica do planeta. Portanto, seu presidente é a maior autoridade mundial. Lamentavelmente aqui no Brasil, que tanto amamos, não temos candidatos à presidência da República com o preparo, com a postura dos políticos norte-americanos. O nível intelectual e cívico dos nossos políticos é sofrível.
Imagino que apenas uns 5% dos telespectadores brasileiros que ligaram o televisor naquele momento, assistiram atentos ao dito debate; 95% trocaram de canal para ver mediocridades, nulidades. Isto nos mostra que, infelizmente, somos um povo ignorante, neoameríndios. Estamos atrasados; devemos buscar urgentemente conhecimentos para nos tornarmos também uma próspera nação; mais potente que os Estados Unidos. Por que não? Em realidade somos privilegiados pela natureza... Nos falta a mola mestra que é a educação do povo. Sem educação não há como evoluir. A educação deve ser prioridade das prioridades. Sigamos os ditames de nossa bandeira nacional: Ordem e Progresso.
- FRATERNO MARIA NUNES, Campo Mourão
Fumantes
Será justo que sejamos obrigados a sofrer as consequências dos vícios alheios? Fala-se tanto no combate à poluição, e não se pensa nos milhões de cigarros poluindo ambientes mal ventilados, salas de espera de consultórios, principalmente médicos, onde doentes e criancinhas indefesas ficam expostas a perniciosa fumaça que lhes entra pelo nariz e garganta irritando os brônquios, e quantas e quantas vezes ocasionando enjôo e dores de cabeça a tanta gente. É verdade que alguns consultórios médicos, há que, numa placa bem à vista, lê-se: ‘‘é proibido fumar’’, e no lugar dos cinzeiros, revistas, e também música para relaxar os nervos...
Existe uma lei a esse respeito; lei essa que, às vezes, aparece com datas diferentes em diversos locais, pelo fato de haver sido renovada várias vezes, porém, eu creio que os meus patrícios brasileiros, preferem ignorá-la, dando ao estrangeiro uma péssima impressão de desrespeito ao próprio país. Não sou contra o fumante, mas, penso que se deva respeitar o direito daqueles, que não têm obrigação de suportar um vício alheio que lhes prejudique a própria saúde ou que os constranja.
Faço aqui um apelo ao povo da minha terra: vamos nos ajudar mutuamente, vamos cooperar para que o Brasil se torne um país realmente civilizado, acatando suas leis, observando as regras de boa educação, tornando as praias, as cidades mais limpas, diminuindo o barulho infernal e inútil que prejudica a todos nós, e concorramos assim, para melhorar este mundo em que vivemos.
Um país será realmente grande, quando a par do progresso, seu próprio povo aprender a amá-lo, respeitando-o através de suas leis que devem prevalecer acima de gostos e preferências particulares. Vai aqui uma sugestão que iria beneficiar a todos: por que não se constroem locais apropriados para os fumantes, sejam em conduções, ou salas de espera? Um local reservado para os que fumam. Isso, meus amigos e conterrâneos, seria, outrossim, uma ótima campanha de solidariedade humana, e, portanto, da fraternidade!
- IRENE CRUZ CORRÊA, Londrina
Administração hospitalar
Independente da natureza das ciências, em todas elas, a administração e a comunicação adquirem cada vez mais corpo e relevância no mundo atual, que passa por mudanças em alta velocidade. Na abordagem comportamental e humana, a administração das organizações de saúde é, atualmente, parte que mais chama a atenção dos gestores. Isso porque os hospitais possuem finalidades orgânica, social e pública, de forma entrelaçada.
A qualidade assistencial e a administração de recursos materiais e financeiros não são simples referências econômicas, tampouco parâmetros quantificáveis de serviços prestados. O comportamento humano e a ação individual e em equipe, esta última executada pelo colaborador mais humilde até o médico ou o profissional mais qualificado, é afirmação da nobreza humana. Toda inter-relação médico-paciente, por exemplo, só se completa na dinamicidade científica, técnica, estética, humana e espiritual, refletindo que a pessoa é muito mais do que matéria, forma, produção, dona de contexto espaciais e temporais.
Eficácia, eficiência e efetividade são princípios inclusive da filosofia e das práticas cristãs que constituíram as raízes da teoria geral da administração moderna. Os ativos mais importantes que uma instituição comporta são as pessoas, as informações, os conhecimentos e a felicidade dos clientes-pacientes. Por causa disso, o arcabouço teórico da administração vem ampliando atenções para novos processos de aprendizado, embasados no relacionamento entre as pessoas, na liberdade e responsabilidades conjugadas, na competência e participação de resultados, na motivação e colaboração sincronizadas.
Assim, a comunicação de valores cristãos e a indicação de práticas sadias injetam vida nos enfermos, familiares e acompanhantes. É isso que move, realiza e constrói as novas atitudes humanas. A saúde e a vida são dadas pela comunicação entre seres humanos, em revelação à interação e vontade de um ente superior. Por isso, o hospital é muito mais do que uma simples organização de relações empresa-trabalho.
- Irmã LOURDES MARGARIDA THOMÉ, Curitiba
- As cartas devem ser datilografadas e assinadas e vir acompanhadas da fotocópia de documento de identidade, endereço e telefone para contato e profissão/ocupação do remetente. O jornal poderá resumi-las conforme disponibilidade de espaço. Correspondência via Internet deve conter: nome completo, cidade de origem, telefone, documento de identidade e endereço eletrônico e profissão/ocupação. E-mail da Folha de Londrina/Folha do Paraná: [email protected]