Eleições (1)
Pelos resultados das eleições, certificamo-nos que o povo está se politizando. Em vários dos municípios do Paraná, o eleitor deu um basta aos candidatos populistas e políticos profissionais. O basta do eleitor é o resultado de um amadurecimento político. Um amadurecimento consciente de que essa era do toma-lá-dá-cá está se acabando.
O povo está cansado de ouvir que determinado prefeito se enriqueceu com desvio de combustíveis e de materiais de construções pagos pelos cofres públicos e por isso está escolhendo o melhor, o mais honesto, o que sabe respeitar o direito alheio. O povo não quer mais aquele que põe a bota sobre a mesa e diz: ‘‘Aqui mando eu.’’ Acabou. Demorou mas acabou.
Hoje o horizonte do eleitor é bem maior. O eleitor sabe que depende somente dele o futuro de seus filhos e por isso o dinheiro dos coronéis não decidirão mais as eleições. Tanto nas grandes cidades, como Curitiba ou Londrina, como nas pequenas como Jaguapitã, os coronéis da política, que se julgavam os mandatários têm seus dias contados. A vontade popular, com o apoio da vontade dos representantes da lei eleitoral que atual certo na hora certa, esteve voltada à escolha do melhor candidato.
Dos que ficaram para o segundo turno um é o candidato que o povo quer, o outro é candidato que grandes grupos econômicos precisam para continuarem no poder. Nestas eleições municipais está prevalescendo a vontade popular pela boa escolha e temos certeza de que assim continuará para alicerçar a reconstrução e o futuro desta rica Nação.
- JOSÉ CARLOS SIMIONI, Ribeirão Claro
Eleições (2)
É preciso ficar alerta e acompanhar de perto os passos dos candidatos eleitos e cobrar as promessas de campanha, exigindo o cumprimento de tais programas prometidos, o qual nos fez dar nosso voto de confiança e esperar que tais promessas sejam cumpridas e que os eleitos cumpram com seu dever de legislar em prol da população e não em causa própria.
Precisamos acreditar nos mecanismos institucionais e sermos mais severos, cobrando de nossos governantes, exigindo dos mesmos uma auto-análise em seus juízos críticos acerca da conduta de homens públicos. Comprovou-se na campanha o tom elevado dos debates entre os aspirantes às prefeituras, em particular em Cascavel, e a vigorosa adesão destes aos princípios do estado de direito. Espero que as propostas difundidas sejam colocadas em práticas com muita seriedade e acima de tudo com responsabilidade, é o que todos esperamos e iremos cobrar, para que não se prosperem práticas costumeiras que desvirtuem a festa da democracia.
- PEDRO BATISTA MARTINAZO, estudante, Cascavel
Produtos orgânicos
Li, na edição de 29 de setembro, a reportagem ‘‘Produtos orgânicos ganham espaço em pontos de venda’’, feita pelo jornalista Lúcio Flávio Moura. Acho muito interessante a iniciativa da Folha em criar espaço para o debate a respeito desta tecnologia que vem contribuindo para a preservação do meio ambiente e melhoria da qualidade de vida de populações urbanas e rurais.
O Paraná é o Estado brasileiro que tem o maior número de produtores praticando a agricultura orgânica. Segundo dados da Emater-PR (empresa de extensão rural do governo do Estado), atualmente cerca de 2,4 mil propriedades já desenvolvem o cultivo de plantas ou a criação de animais sem o uso de agroquímicos sintéticos (agrotóxicos e adubos químicos industrializados). O Brasil tem 4,3 mil agricultores que empregam essa tecnologia.
Outro dado da realidade paranaense que chama a atenção é a taxa de crescimento da produção de produtos orgânicos. Na safra 96/97, o volume foi de 4,3 mil toneladas contra 49,7 mil toneladas obtidas na colheita que terminou no último mês de junho. Para a safra deste ano, 2000/01 a previsão é de um crescimento de 40%, atingindo a casa das 70 mil toneladas anuais. A renda bruta gerada pela produção orgânica paranaense ultrapassa a casa dos R$ 26 milhões.
Além do aumento da demanda, existe um outro fator que vem contribuindo para o crescimento da agricultura orgânica no Paraná. O uso da tecnologia tem se tornado, também, uma forma de melhoria da renda do produtor. Hoje, o agricultor vende um produto orgânico recebendo entre 30 e 50% a mais que o produzido com o método convencional, embora, este mesmo produto, quando adquirido em supermercados, chega custar até duas vezes mais que o convencional. Com um detalhe: o custo de produção é praticamente igual. Outra vantagem é a capacidade de geração de trabalho. A olericultura convencional emprega em média 1,2 pessoa para a condução de um hectare de plantação; já na olericultura orgânica esse número sobe para a média de 2 pessoas.
Nosso trabalho é sempre feito em parceria com outras entidades que estão interessadas na promoção da agricultura orgânica. Os produtores quase sempre estão organizados em grupos. Damos orientação sobre as tecnologias de cultivo e também assessoramos na comercialização. A integração entre todos os agentes que atuam na assistência técnica e organização dos produtores é garantida pelo Conselho Estadual de Agricultura Orgânica que tem 5 representantes do governo do Estado e 5 de Organizações não-governamentais. Ele tem função de gerir as políticas para o setor.
- RUBENS ERNESTO NIEDERHEITMANN, diretor presidente da Emater
Tubarão
Sou torcedor do Londrina desde 1958 e estou preocupado com o futuro do nosso querido Tubarão. Chegou a hora de todos se unirem para salvar o este time que já deu tantas alegrias, e elevou o nome desta cidade para o Brasil inteiro. Vamos mobilizar a cidade começando com os dois candidatos a prefeito, pois um disse ser corinthiano e outro palmeirense. Isso me deixou muito triste, pois nenhum dos dois mencionou o Londrina. Precisamos brigar pelo que é nosso, é aqui que vivemos, vamos ser bairristas e vestir a gloriosa camisa alviceleste.
- ODAIR ORIANI, Londrina
Correção - Diferentemente do que foi publicado ontem na notícia ‘‘Faltam policiais militares no Paranᒒ, no Caderno Cidades, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge) estima que, nos próximos cincos, a população paranaense vai crescer em mais de 450 mil pessoas, saindo de 9,003 milhões para 9,492 milhões.
- No artigo publicado ontem na página 3, ‘‘A explicação de Babalú de Rechac꒒, de autoria de José da Silva, foi trocada uma palavra no destaque do texto. Ao invés de ‘‘candidatos da oposição’’, como foi grafado, o correto é ‘‘candidatos da situação’’.
- Foram trocadas as legendas das fotos que destacam o jantar em homenagem ao Dia da Secretária, publicadas ontem na coluna Militão Repórter.
- As cartas devem ser datilografadas e assinadas e vir acompanhadas da fotocópia de documento de identidade, endereço e telefone para contato e profissão/ocupação do remetente. O jornal poderá resumi-las conforme disponibilidade de espaço. Correspondência via Internet deve conter: nome completo, cidade de origem, telefone, documento de identidade e endereço eletrônico e profissão/ocupação. E-mail da Folha de Londrina/Folha do Paraná: [email protected]