Londrina conta com 1.315 famílias atendidas pelo programa Bolsa-Escola municipal, e o benefício implantado em junho de 2001 está sendo ampliado para contemplar mais 280 famílias em 2003. Apesar da previsão orçamentária para o programa ser de R$ 2.620 milhões, muita gente que vive em situação de miséria ainda ficará de fora este ano. Entre 2001 e 2002, foram feitos 2.716 cadastros, ou seja, mais de 40% das famílias inscritas (1.121) ainda não conseguirão receber os R$ 100,00 mensais.
Somado a outros programas sociais, o município atende atualmente 5,5 mil famílias. ''Quando assumimos (início de 2001), eram 1,5 mil famílias assistidas'', informa a secretária de Ação Social, Maria Luíza Rizotti.
O município conta ainda com 7,8 mil famílias beneficiadas pelo Bolsa-Escola federal, implantado praticamente à mesma época do programa municipal e que prevê o pagamento de R$ 15,00 mensais para cada criança na escola (cada família pode contar com até três filhos beneficiados). No total, portanto, 13,3 mil famílias de Londrina recebem alguma ajuda financeira do poder público. Há também uma parcela beneficiada pelo apoio de Organizações Não Governamentais (ONGs).
O cadastro único realizado recentemente apontou, porém, que 24 mil famílias vivem em situação de pobreza na cidade. ''Existe, portanto, uma parcela de 40% da população pobre que ainda não está sendo assistida'', constata Maria Luíza.
Mesmo assim a secretária afirma que as metas traçadas para o Bolsa-Escola municipal estão sendo atingidas. Até antes do previsto. O município está chegando a 2 mil famílias atendidas, quando a idéia inicial era chegar a este número só no final do atual mandato, em 2004.