OPINIÃO DO LEITOR -

Injustiça social


Na quarta-feira, 27.05.20, esta Folha nos brindou com duas publicações especiais que, para mim, seriam textos obrigatórios não só para quem gosta de leitura de qualidade, mas também como um alerta para quem ainda não se deu conta que vivemos num país campeão de injustiça social, com elites hipócritas, reacionárias e exímias na técnica de jogar “sujeira” pra baixo do tapete. A excelente reportagem “Da mão para a boca”, de Marcos Losnak, assim como o texto no “Espaço Aberto”, autoria de Luis Miguel Luzio dos Santos, com a desconcertante e certeira assertiva de Renato Meirelles: “Se tem um lugar no Brasil onde o Estado mínimo existe, é a favela”.  Mesmo para os insensíveis de carteirinha, nos levam a refletir sobre o nosso papel enquanto seres humanos civilizados: estaremos agindo em prol de um mundo com mais empatia, tolerância e solidariedade, ou será que achamos suficiente esperarmos a “salvação” através de nossos alienados heróis tupiniquins e continuarmos deitados em berço esplêndido entoando slogans demagógicos e oportunistas, tipo, “Pra frente Brasil”... “Brasil acima de tudo”... blá-blá-blá...?

 Alberto Chahaira Sobrinho (gestor público) Bela Vista do Paraíso 


Vandalismo

Os atos ocorridos nos últimos dias no País, mais recentemente na capital paranaense, Curitiba, são totalmente repudiáveis, devendo os infratores serem identificados e penalizados  pelos atos. Protestos e manifestações são direitos, vandalismos é crime. Que se punam os responsáveis.



Antônio Carlos Pescador (autônomo)  Londrina 


Massa de manobra

Atualmente, é quase impossível a pessoa sintonizar em canais de TV de noticiários e não “dar de cara” com notícias sobre a Covid-19. Será que o “bicho é tão feio como se pinta” ? Vamos as estatísticas: os Estados Unidos, que é o país que tem mais óbitos causados pela doença, tem pouco mais de 100 mil. O câncer, segundo fontes confiáveis, o número de óbitos neste ano de 2020 naquele país é de 606.320, seis vezes mais que a Covid, e não há esse estardalhaço, cuidados, alertas, recomendações, decretos, proibições. Curitiba, que tem mais de 2 milhões de habitantes, segundo informações da prefeitura, até  31/05/2020 tinha apenas 46 óbitos de Covid-19 confirmados. E os óbitos de outras doenças, homicídios, acidentes de trânsito etc..? Será que o meu amigo não está certo quando diz que o povão é massa de manobra desse nosso sistema atual?  

Swami Veronesi  (músico) Londrina 

 

MEMÓRIA

03 de junho de 2016 

PR é o quarto em nascimento de empresas

O Estado do Paraná foi o quarto com o maior número de empresas abertas no primeiro trimestre de 2016 em comparação com o mesmo período do ano anterior, aponta o Índice Serasa Experian de Nascimento de Empresas. A posição foi fortalecida pela forte expansão da figura do Microempreendedor Individual (MEI), única modalidade de natureza jurídica que teve crescimento em todo o Brasil.



Segundo o índice, foram criadas nos três primeiros meses do ano 33.274 empresas no Paraná, que ficou, em números absolutos, atrás apenas de São Paulo (145.324), Minas Gerais (58.241) e Rio de Janeiro (4.641). No Brasil, foram criadas 516.201 empresas no mesmo período, um avanço de 7,5% em relação ao primeiro trimestre do ano anterior.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo