Informe Folha Mais restrições O governo do Paraná terá de encontrar novas alternativas para enfrentar o sufoco de caixa. O freio nas antecipações de ICMS, sinalizado nas últimas semanas pelo Banco Central com o apoio da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, restringe ainda mais o leque de recursos financeiros à disposição do Estado. Em 1999, as antecipações feitas junto à Petrobrás e empresas da iniciativa privada foram fundamentais para o funcionamento da máquina do governo. Uma das operações feitas com a Petrobrás, de R$ 80 milhões, firmada no Rio de Janeiro no final de dezembro, por exemplo, pagou o 13º salário de boa parte dos funcionários públicos. As antecipações tão questionadas hoje foram, durante os últimos três anos, a tábua de salvação encontrada pelo Estado para não atrasar salários. A partir de agora, não resta ao governo senão estudar uma nova reengenharia financeira. Pra valer Ao que tudo indica não é blefe de José Carlos Martinez o lançamento, pelo PTB, de candidatura própria em Curitiba. Nos últimos tempos, o presidente nacional do PTB não tem perdido a chance de, numa roda de amigos, desmerecer Cassio Taniguchi, candidato do PFL à reeleição. Falando inclusive, numa reunião em Brasília, que Taniguchi ‘‘vai ter de provar a que veio’’. Senha O despretígio do prefeito de Curitiba junto ao comando nacional do PTB funcionou como uma senha para Beto Richa, o filho do ex-senador e ex-governador José Richa, intensificar seus contatos e lançar-se pré-candidato à sucessão. Condição Petebistas bem próximos a José Carlos Martinez garantem que o ‘Batatinha’ não estaria defendendo um PTB tão desatrelado assim do PFL se não tivesse interesses pessoais envolvidos na carreira solo em Curitiba. Martinez estaria pleiteando no governo federal a concessão de uma emissora de tevê em São Paulo. Empenho O papo corrente entre os petebistas é de que até José Richa estaria refazendo contatos no governo federal para atender ao pedido de Martinez. A concessão pode limpar de vez o caminho do filho, que, para concorrer, vai ter de disputar primeiro convenção municipal com outros dois pré-candidatos assumidos: os deputados Ricardo Chab e Carlos Simões. Missão impossível A condição imposta por Martinez, segundo os mesmos petebistas que o cercam, é quase impossível de ser conquistada, pelo menos a curto prazo, até junho, período das convenções municipais. Primeiro, porque as concessões estão suspensas. Segundo, porque a Rede Globo seria o grande entrave para a ampliação da CNT de Martinez em São Paulo. Leilão O PTB estaria ainda negociando nos bastidores, para não deixar Chab e Simões na saia-justa, alianças em torno de Beto Richa oferecendo em troca apoio do partido para a sucessão de Jaime Lerner, em 2002. O ministro Rafael Greca (PFL) foi um dos procurados pelo grupo de Beto para uma conversa. O outro foi o senador Alvaro Dias (PSDB), já candidatíssimo ao governo. Promessa O novo procurador-geral da Justiça, Marco Antonio Teixeira, que assume o posto que hoje ainda é de Gilberto Giacóia, no dia 7 de abril, promete acompanhar até o fim as investigações acerca da compra irregular de jaquetas coreanas, pela Polícia Militar do Paraná. ‘‘O Ministério Público já acionou a Justiça e agora estamos no aguardo de uma sentença’’, assinalou Teixeira. Concurso A Fundação Cultural de Campo Mourão informa que estão abertas as inscrições para o 7º Concurso Pinóquio, que vai premiar as ‘maiores mentiras’ e os ‘melhores causos’, no dia 1º de abril, no Teatro Municipal da cidade. Não há restrição alguma, nem a políticos, pescadores e aos exagerados de plantão. Mais cômodo Para o senador Osmar Dias a posição de ‘independência’ que a bancada tucana na Assembléia diz assumir diante do governo Lerner tem sempre um custo. ‘‘Independência, para mim, é coisa para quem não quer compromisso com posições que possam vir a trazer desgaste. É mais cômodo ser independente. Eu prefiro não ser, mas dormir com a cabeça em paz’’, disse Osmar. Revanche Hermas Brandão (PTB) vai ter de intensificar seus contatos com os deputados se quiser derrubar o veto de Lerner, permitindo a locação, pelo governo, de equipamentos eletrônicos na fiscalização das rodovias estaduais. Hermas é o deputado-autor de projeto que proíbe a possibilidade. A matéria, entretanto, foi vetada pelo governador e está na iminência de chegar para uma análise do Legislativo. Dois pesos Setores que apóiam o prefeito de Londrina Antonio Belinati (PFL) criticam a forma como a Câmara avalia a investigação que o MP está fazendo sobre o vereador Antenor Ribeiro (PPB), presidente da CEI que apura irregularidades na prefeitura. Ele teria usado dinheiro público para pagar a impressão de livro de sua autoria, que continha propaganda de campanha de dois candidatos a deputado. Os vereadores disseram que vão aguardar o fim das apurações antes de qualquer decisão. Duas medidas ‘‘Quando envolve o prefeito, mesmo sem o MP encerrar seus trabalhos, já querem comissão processante e impeachment’’, disse um dos belinatistas. ‘‘Mas quando envolve um dos vereadores, o discurso e a postura da Câmara são outros.’’ Perguntinha Sai a CPI estadual do Narcotráfico? Ou nasce natimorta como foi com a das Jaquetas e da Copel-Sercomtel? Vapt-Vupt • O deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB), de Londrina, foi um dos parlamentares paranaenses que dão sustentação ao governo Fernando Henrique a votar contra a manutenção do nepotismo na administração pública. • Osvaldo Buskey quer acabar com o reinado de Eduardo Requião no PDT e promover um bate-chapa. Buskey anunciou durante a semana sua pré-disposição em concorrer à Prefeitura de Curitiba. O PDT não reconhece. • Beto Richa (PTB) assinou a CPI do Narcotráfico, mas ainda resiste em chancelar o requerimento que instaura comissão parlamentar para investigar os contratos de pedágio firmados entre governo e concessionárias. Moysés Leônidas (PDT) e Edson Praczuk (PL) foram os únicos governistas que aderiram ao discurso da oposição, não se sabe até quando. De Curitiba, com redação e sucursais