Governo propõe acabar com "microcidades”


Cotas raciais x cotas sociais 

Em relação às cotas raciais nas universidades brasileiras, considero longe da verdadeira democracia moderna. Não é inteligente adotar as cotas raciais. Importante seria reservar nas universidades 60% de vagas para cotas de classe econômica de baixa renda. Aí sim verdadeiramente democrática e interessante para toda sociedade, possibilitando o devido equilíbrio socioeconômico como nação forte, unida e sábia. Como sou descendente nipônico e pela visão turva disso - o correto então e não acho legal - 0,5% de todas as vagas das universidades para os nipo descendentes. Essa de cota racial realmente não me representa. Meus filhos de olhos puxados sempre estudaram em escolas particulares, passaram na UEL respeitando "cota de raças" e logo após a formatura já estão trabalhando e atuantes  

RICARDO HIDEKI KAKIHATA (farmacêutico) - Arapongas         


Governo propõe acabar com "microcidades” 

Com referência à matéria da FOLHA sobre o projeto do presidente da República que quer acabar com todas as cidades com 5 mil habitantes (“Governo quer acabar com cidades com pouca arrecadação” - Folha Economia, 6/11/2019), ele diz que esses municípios não se pagam com renda própria. Então, para que o governo seja coerente deveria também enviar um projeto para cortar em 50% o número de deputados e senadores, uma vez que mais da metade dos deputados e senadores não sabem o que estão fazendo lá no Congresso. Eles não geram nenhum tipo de arrecadação para se pagarem, ao contrário, muitos deles são um peso morto que o cidadão que paga imposto tem que carregar. Então, senhor presidente, favor tratar todos de forma igual no País, porque até agora a população ainda não viu o governo agir para tirar as regalias da classe política.   



CARLOS DE SOUZA DIAS (bacharel em Direito) - Cornélio Procópio  


Estado sem partido 

Que os governos petistas aparelharam diversos órgãos de Estado durante seus treze anos e meio de poder, não se tem dúvida, porém, nada se compara ao que se vê no atual governo. Creio que não precisamos somente de escolas sem partido, mas também de Ministério Público sem partido, Polícia Federal sem partido, Exército sem partido, Judiciário sem partido, Embaixadores sem partido, Supremo Tribunal Federal sem partido, Ministério da Justiça sem partido... Enfim, de um Estado sem partido. Aqueles que quiserem ideologizar seus cargos públicos que renunciem e candidatem-se a cargos eletivos. Basta de aparelhamento, seja de direita ou de esquerda. 

SANDRO FERREIRA (representante comercial) - Ponta Grossa  

Tudo sobre:


Continue lendo


Últimas notícias