No cenário dinâmico e em constante evolução do mundo do trabalho, a busca por flexibilidade e novas formas de organização ganhou destaque nos últimos anos. Em meio a esse contexto, a Lei 14.442, promulgada em 02 de setembro de 2022, surge como marco fundamental ao regulamentar o teletrabalho no Brasil.

Comemorando seu primeiro aniversário, esta legislação tem impactado significativamente as relações de trabalho, promovendo uma transformação que transcende os limites físicos dos escritórios tradicionais.

ERA DIGITAL E FLEXÍVEL

Em um mundo cada vez mais digital, a Lei 14.442 surgiu como resposta às exigências impostas pela COVID-19 em relação ao ambiente físico de trabalho, apresentando o teletrabalho como uma solução imediata para a continuidade das atividades produtivas naquele momento pandêmico, fora do ambiente físico da empresa.

O texto legal definiu regras claras para essa modalidade de trabalho, estabelecendo direitos e deveres tanto para empregadores quanto para empregados, de modo a garantir um ambiente de trabalho seguro, produtivo e gerenciável, mesmo fora das instalações físicas das empresas.

BENEFÍCIOS

Uma série de vantagens foram apresentadas tanto para profissionais quanto para empresas. A flexibilidade do teletrabalho permitiu que muitas organizações reduzissem custos operacionais, como aluguel de espaços físicos e despesas de manutenção.

Além disso, o acesso a um talento diversificado e distribuído geograficamente em local distante do qual a empresa está estabelecida tornou-se uma realidade viável, uma vez que a localização física do trabalhador já não é um fator limitante.

Inúmeras empresas têm hoje o seu quadro de profissionais composto por pessoas que residem em estados diversos da federação na qual a sede está instalada e até mesmo em países diversos, tendo sido quebradas as barreiras físicas nessa flexibilização do ambiente de trabalho.

Para os profissionais, o teletrabalho trouxe uma oportunidade de equilibrar melhor a vida pessoal e profissional, eliminando muitas vezes o estresse do deslocamento diário e permitindo a conciliação entre as demandas do trabalho, da casa e da família.

Além disso, o teletrabalho abriu portas para pessoas com limitações físicas ou geográficas, proporcionando inclusão e igualdade de oportunidades.

DESAFIOS E APRENDIZADOS

Apesar dos benefícios evidentes, a regulamentação do teletrabalho também apresenta desafios que não podem ser ignorados. A fixação de limites claros entre vida profissional e pessoal passa a ser de suma importância, exigindo gestão eficaz do tempo e limites saudáveis.

O direito à desconexão exige disciplina do trabalhador e observância pela empresa, a qual não pode perder de vista a adoção de medidas que evitem a exclusão e o isolamento do profissional, primando pela comunicação eficaz e apoio emocional a tais profissionais.

Outro ponto a considerar é a necessidade de investimentos em infraestrutura tecnológica e cibersegurança para garantir que os trabalhadores remotos possam realizar suas atividades de maneira eficiente e segura. Além disso, a supervisão e avaliação do desempenho em um ambiente virtual requerem adaptações nas práticas de gestão.

O QUE ESPERAR DO FUTURO

Não há dúvida de que essa modalidade de trabalho veio para ficar, mas a maneira de se realizar a gestão de tal forma de produção deverá sofrer evolução contínua.

A lei já aponta para uma forma de solução híbrida, por meio da qual o trabalhador pode comparecer ao ambiente físico de trabalho em algumas oportunidades, sem que isso desnature o regime de teletrabalho. As novas tecnologias deverão gerar igualmente novas formas de gestão e do próprio teletrabalho.

Há, no entanto, pontos a serem melhorados no texto legal, a exemplo da exigência de controle de horário de trabalho, o que tem sido considerado tanto por trabalhadores quanto por empresas como um obstáculo à implementação desse novo regime.

CONCLUSÃO

A Lei 14.442 de 2022 representa um marco importante para as relações de trabalho no Brasil. Ao regulamentar o teletrabalho, esta legislação abriu caminho para uma maior flexibilidade, adaptabilidade e inclusão no mercado de trabalho.

Ao celebrarmos seu primeiro aniversário, devemos refletir sobre os sucessos alcançados e os desafios enfrentados, direcionando nossos esforços para moldar um futuro no qual o teletrabalho seja alçado a status de ferramenta eficaz para promover um ambiente de trabalho mais equilibrado e produtivo para todos que dele fizerem uso.

Osvaldo Alencar Silva, advogado do escritório De Paula Machado

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]