|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 02/07/2022, 17:27

ESPAÇO ABERTO - Um padre comum

PUBLICAÇÃO
sábado, 02 de julho de 2022

Bernardo Pires Küster
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Um padre comum Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Um padre comum
|  Foto: Arquivo pessoal - Divulgação
 

Se o não é aquilo que retumba no mais profundo pântano do inferno, como diziam os medievais, é também verdade que o mais veemente ato de entrega, em oposição à recusa absoluta, repousa plácido no mais alto trono dos céus. É o contraste mais claro na consciência do homem comum: o belo arcanjo sem chance de redenção foi aquele que, não podendo, quis subir ao mais alto céu para tomar, por orgulho, o lugar do Altíssimo; o próprio Altíssimo, por outro lado, fez pouco caso de Sua divindade e, humilhando-se, desceu feito orvalho dos céus para encarnar-se na baixa criatura.

A Virgem Maria, digna de profunda veneração, por Seu sim mais incomparável, aceitou que Deus nEla fizesse morada. Seu esposo, glorioso São José, teve o sim digno de homem: silente e convicto da missão que lhe fora outorgada.

Da mesma maneira, entre contradições e convicções, Pedro, antes de ser São, anunciava quase diariamente, como profeta, o seu sim a Deus, cuja entrega dependeu sempre mais de Cristo que de Pedro. "Eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça”, disse o Senhor a ele.

O sacerdócio, mãos de Cristo, é por sua natureza um grande sim de Deus para o homens. Não é preta afinal a fardelagem que reveste nossos padres? É escura e, aparentemente, lúgubre porque evoca, é claro, um funeral daquele homem; toda ordenação é também uma inumação. É o sim total ao chamado para ser meio da graça de Deus e morrer para o mundo, pois “todo aquele que quiser ser amigo deste mundo, constitui-se inimigo de Deus” (S. Tiago 4,4).

Não devemos chamar esse homem apenas pelo seu nome da certidão de nascimento, pois padre não é título, mas designação de natureza. Chamem-no de Padre… Antônio Fiori. Este é seu nome.

Seu sim a Deus possui duas marcas profundas: a ordem sacerdotal e a vocação religiosa palotina. Padre Fiori é um presbítero comum. E este fato é absolutamente incomum. Celebrar a mesma missa todo o santo dia, absolver os mesmos dez pecados, vestir a mesma estola, acender a mesma chama da vela, pronunciar insistentemente as mesmas palavras, ajoelhar-se precisamente nos mesmos momentos, olhar frequentemente para as mesmas pessoas, unir pessoas diferentes numa igual cerimônia e educá-las nos mesmos ensinamentos, insistir na permanência dos mesmos dogmas, acreditar no mesmo pão, beber o mesmo vinho, abrir-se ao Criador na liturgia das horas sempre… nas mesmas horas; recorrer aos mesmos santos, aos mesmos anjos, à mesma Senhora Nossa, ao mesmo Nosso Senhor, repetir o mesmo sacrifício, rezar ao mesmo Deus e amar atrevidamente o mesmo Amor.

Cinquenta anos. Dia e noite, na paz e na guerra, da alegria do batismo à tristeza das exéquias. Cinquenta anos vivendo a serviço da mesma Igreja, da mesma fé. Cinquenta anos esforçando-se, como ele mesmo diz, para fazer de cada sacramento celebrado um sacramento único, lançando fora o automatismo e a banalidade, algo esperado a esta altura da vida. Repetir as mesmas coisas, sejam atos ou palavras, sem transformá-las num vazio é a missão do padre, é o seu papel exigido por Deus, é sua obrigação, sua cruz e também sua glória.

Não se tem notícia de o Padre Fiori ter-se entregado à falta de piedade em suas ações. As sobrancelhas arqueadas, olhos fixos, gestos lentos, palavras pinçadas de sua imensa biblioteca na memória, cada hóstia consagrada é entregue quase com ciúmes ao fiel, como um delicado pedaço do céu. Reacender a caridade: este é um dos lemas de São Vicente Pallotti. E a caridade só pode ser reacesa como a vela da crisma é acesa no círio pascal: na fonte de luz, o próprio seio do amor divino; a vida íntima de oração e comunhão com o Bom Deus. Quantos já não receberam suas mensagens de madrugada, quando ele, rezando, lembra-se de alguém, envia um consolo e uma orientação paterna?

Padre Fiori certamente é um padre comum. E repito: não há nada de mais extraordinário que um padre comum que insista em ser padre. Um padre. Um pai, principalmente quando o mundo em volta induz ao contrário. As mesmas coisas sagradas repetidas como se fossem sempre novas é, na terra, o autógrafo da eternidade.

Obrigado, padre Fiori, nosso padre Antonio Fiori, por insistir em ser nosso pároco de aldeia, esse padre inesperadamente comum e inexplicavelmente excepcional. Que o Sagrado Coração de Jesus possa sempre manter o teu coração semelhante ao dEle: fiel, piedoso, sóbrio, vivo e, claro, não poderia ser esquecido, sempre alegre, porque "a alegria do Senhor é a tua força” desde que você disse sim a Deus.

Bernardo Pires Küster é professor e diretor de opinião do jornal Brasil Sem Medo