|
  • Bitcoin 102.000
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 18/05/2022, 00:05

ESPAÇO ABERTO - O povo russo

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 18 de maio de 2022

Nelio Roberto dos Reis
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

É importante saber que este povo que agora sobrevive na Rússia é descendente de pessoas que já foram governadas por Vladimir Ulyanov, conhecido como “LENIN’’, chefe da Rússia soviética de 1917 à 1924 e da União Soviética de 1922 até sua morte. Foi quem primeiro usou as teorias de Marx e as traduziu para a política real. Afirmava a constante necessidade da violência. Dizia: “A ditadura do proletariado nada mais é do que o poder baseado na força sem limites, nem pela lei, nem por regra nenhuma”. Durante seus anos de poder, foi responsável por milhões de mortes, estabelecendo campos de prisioneiros para derrubar e destruir a oposição ao seu programa comunista.

Logo à seguir, viria Losif Dzhugashvili, chamado de Joseph Stalin, indivíduo criado por pai alcoólatra. Cresceu na política, voltou-se contra os seus aliados e já no início da década de 30 era o único ditador da União Soviética. Com o uso implacável da polícia secreta, conseguiu amedrontar a população a ponto do qual não existia mais liberdade civil.

Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - O povo russo Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - O povo russo
|  Foto: istock
 

No início da década de 30, mais de 25 milhões de camponeses foram assassinados ou morreram de fome para que Stalin pudesse manter sua política. A principal característica da sua personalidade era a de ser implacável. Segundo a história, frutos das suas atitudes, podem chegar a mais de 30 milhões de mortes. Uma de suas frases: “A morte de uma pessoa é uma tragédia, a de milhões, uma estatística.”

Lembrar que ao redor de 1940, a União Soviética ameaçou com invasão a Letônia, Lituânia e Estônia. As frequentes anexações se justificavam, segundo Stalin, a  uma defesa contra o ataque da Alemanha nazista, mas quando a guerra terminou, não devolveu nenhum dos territórios ocupados.

Após a 2ª guerra, começa a Guerra Fria, que tem como causa principal a política expansionista de Stalin com seu desejo implacável de disseminar o partido comunista, mas em 1949 a OTAN foi criada pelo ocidente para brecar este ímpeto.

Agora, por mais de 20 anos, aparece esse Vladimir Putin, com suas brutalidades e agressões, perseguindo qualquer oponente ou dissidente, com traços de megalomania, com culto psicótico a sua personalidade, se autoconcedendo títulos grandiloquentes de sabedoria e habilidade de líder.

Dentro desta sequência de loucos, ensandecidos, pergunta-se: como que o mundo espera que se comporte o povo russo? Que culpa poderiam ter neste malvisto conflito (Rússia x Ucrânia)? A resposta poderia ser a mesma que a nossa brasileiros, nenhuma culpa. E pela história que viveram, não poderiam ter outro comportamento a não ser o de cuidados e grande dose de precaução. A Rússia tem um povo inocente, com vontade de sobreviver e a culpa da guerra recai claramente sobre seus dirigentes, governantes sem respeito e consideração para um povo que durante a maior parte da sua história só quis sobreviver e não pode ser culpado pelas atrocidades e megalomania de seus dirigentes inescrupulosos.

Como é difícil conhecer a Rússia, é mais fácil tirar conclusões, andando por Cuba, um país de fácil acesso e que também teve governo ditatorial. Vemos pelas ruas um povo oprimido, pescadores sem barcos (se tivessem, fugiriam). Médicos, em Havana, em um silêncio indignado, vendendo charutos na praça da igreja, uma feira de livros na praça central, onde é proibido sequer perguntar sobre algum livro com uma filosofia fora do marxismo, com risco de prisão. Já passei por essa cena que assisti com tristeza.

O Brasil, apesar de tanta corrupção de alguns, ignorância de outros, ainda temos a quase liberdade que é uma grande felicidade. Só depende do caminho que pretendemos escolher.

Liberdade é amar sem dominar. E sentir seu coração bater sem ter medo de outrem. Ter uma alma com ou sem tempestade, mas com liberdade.

Nelio Roberto dos Reis, professor universitário 

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]