|
  • Bitcoin 143.727
  • Dólar 4,8243
  • Euro 5,1610
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 13/05/2022, 07:24

ESPAÇO ABERTO - O analfabetismo político

Enquanto isso, o país perdido pela falta de educação, segurança, saúde e moradia

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 11 de maio de 2022

Nelio Roberto dos Reis
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Conhecemos o analfabeto funcional: incapacidade de uma pessoa não entender textos simples, mesmo sabendo escrever. Hoje, temos no Brasil o analfabetismo político de toda uma nação, mesmo entre aqueles, com curso superior. Tentando explicar, de um modo geral, para tais pessoas qualquer um, que não aprove a direita, é comunista e qualquer outro, que não aprove a esquerda, é fascista.

O grande idealizador do comunismo, Karl Marx, foi um alemão deverás mal sucedido, expulso por três países devido as suas ideologias, dentre elas previu que: 1) os trabalhadores capitalistas seriam cada vez mais pobres; 2) a classe média seria eliminada e se tornaria parte do proletariado; 3) o aumento da mecanização diminuiria os lucros do capitalismo.

Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - O analfabetismo político Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - O analfabetismo político
|  Foto: istock
 

Os marxistas comunistas, com atividades que envolviam propaganda, assassinatos, terrorismos e revoluções, como meio de chegar ao poder e com muita repressão brutal e perseguições sangrentas, mantiveram o mundo em agitação durante décadas e causaram no passado aproximadamente 100 milhões de mortes. Fato de fácil verificação. Mas no Brasil, socialismo é quase sempre associado ao comunismo.

Por outro lado, as pessoas que não pertencem à esquerda, são denominadas fascistas. Regime estabelecido na Itália de 1922 a 1945, fundado sobre a ditadura de um partido único, com exaltação nacionalista e com o cooperativismo substituindo um regime democrático. Formado por uma ditadura absoluta fundada sobre o tríplice culto: obediência, chefe absoluto e estado.

É triste dizer que as diferenças entre os partidos, que disputam o poder no Brasil estão mais para a corrupção de um lado e a ignorância do outro, do que ser de direita ou de esquerda. Enquanto isso, o país perdido pela falta de educação, segurança, saúde e moradia. Navegamos na ilha da fantasia dos sonhos de mal informados e todos sofrem por isso.

Prudente lembrar que a democracia social tende, cada vez mais, a repudiar o comunismo em benefício de um socialismo democrático.

A social democracia escandinava, criada na Dinamarca em 1878, na Noruega em 1887 e na Suécia em 1889, desde a crise mundial entre as 2 guerras, se mantiveram no poder quase sem interrupção e hoje estão entre os países mais bem sucedidos no mundo.

Então, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. A ignorância divide o país ente o bem e o mal. Mas quem é o bem? Quem é o mal? Seria o povo capaz de ser juiz desta causa?

Pesquisas confirmam polarização entre dois candidatos. Um deles, deputado federal durante 27 anos e teve 2 projetos aprovados (dois). Apresentou 170 propostas , como a que pretende sustar o uso de nome social para travestis e transexuais.

Outro candidato que diz: “Não tem neste país , uma viva alma mais honesta do que eu“. Certamente, porque o que ele tem, foi justamente ganho com o esforço do trabalho de metalúrgico e depois como político. O resto, como prêmio pela sua integridade, Jesus sentou ao seu lado e multiplicou assim como fez com os dois peixes e os cinco pães. Citado por Marcus, Matheus, João e Lucas., alimentaram 5 mil pessoas e ainda sobraram 12 cestos cheios para os apóstolos.

Como diz o ditado popular, no Brasil, temos o homem comum falando, os poucos sábios escutando e muitos e muitos tolos discutindo.

Talvez, aqui, eu esteja mais entre os tolos, porque minha preocupação é descomunal, estando as eleições chegando, com 4 filhos, 7 netos, mesmo já tendo conhecido 25% do mundo, vendo que o Brasil, pelo que tem, poderia estar a caminho do progresso da Austrália e Canadá, e estamos mais para a miséria do Egito, o desentendimento interno do Líbano e a pobreza de expressão de Cuba. Como tolos, sabemos de tudo, somente os sábios aprendem coisa todos os dias.

Nelio Roberto dos Reis, professor universitário. 

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]