|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Opinião 5m de leitura Atualizado em 19/10/2021, 20:31

EDITORIAL - Vacinar adolescentes para chegarmos à imunidade coletiva

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Poucos municípios da Região Metropolitana de Londrina ainda não começaram a vacinação contra Covid-19 de adolescentes sem comorbidades. Reportagem publicada pela Folha de Londrina na segunda-feira (18) mostrou que apenas 10 localidades não haviam entrado nessa fase e Londrina estava entre elas.

Imagem ilustrativa da imagem EDITORIAL - Vacinar adolescentes para chegarmos à imunidade coletiva
|  Foto: Micaela Orikasa
 

Mas esse cenário deve mudar nos próximos dias. Com a confirmação do MS (Ministério da Saúde) de envio de mais de 318.240 doses da vacina Pfizer/BioNTech ao Paraná, a expectativa da secretaria de Saúde de Londrina é dar início à imunização de adolescentes de 12 a 17 anos, sem comorbidades, ainda nesta semana.  

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, assim que houver a distribuição do lote de imunizantes para Londrina, eles serão disponibilizados aos adolescentes. O chefe da pasta adiantou que no momento 28 mil jovens, entre 12 e 17 anos, estão cadastrados no site da prefeitura para receber o imunizante. Quase seis mil só na faixa etária dos 17 anos. 

Leia mais

Vacinação de jovens sem comorbidades deve começar nesta semana em Londrina

Ibiporã começa a vacinar adolescentes de 14 anos

Do total de vacinas anunciada pelo MS, 228.150 doses são exclusivas para a população de 12 a 17 anos, sem comorbidades ou pertencentes a grupos prioritários. É a primeira remessa do governo federal direcionada aos adolescentes em geral.  

A vacinação de adolescentes começou com confusão no Brasil. Depois de recomendar a suspensão da aplicação das doses para a população abaixo de 18 anos, o Ministério da Saúde voltou atrás dias depois e passou a estimular a imunização para eles.  

Especialistas vêm esclarecendo que os adolescentes formam um grupo considerado de baixo risco para as formas graves de Covid-19, mas eles transmitem o vírus, da mesma forma que os adultos. Isso significa que para alcançarmos a chamada imunidade coletiva, eles também precisam ser vacinados. Lembrando que apesar do baixo risco,  foram registradas mortes por Covid entre os mais jovens. 

A partir da ampliação do público de 12 a 17 anos, começam as expectativas para a aplicação do imunizante entre as crianças. As pesquisas sobre a eficácia e segurança dos imunizantes para este público têm avançado ao redor do mundo, mas a avaliação dos órgãos reguladores é bastante rigorosa.  Atualmente, apenas a vacina da Pfizer pode ser usada por menores de idade no Brasil. 

Leia também: Vacina contra Covid em crianças: pesquisas avançam e expectativas aumentam

Enquanto não chega a vez das crianças, a recomendação é a mesma da população em geral: manter as medidas preventivas, com ambientes arejados, evitando aglomerações, usando máscaras de proteção e higienizando as mãos com sabonete ou álcool em gel. 

Obrigado por acompanhar a FOLHA!

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM