|
  • Bitcoin 120.023
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 14/02/2022, 01:05

EDITORIAL - Um reajuste salarial polêmico

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O reajuste no salário de políticos que ocupam cargos públicos sempre levantou polêmica e nestes tempos de pandemia da Covid-19 o tema ganha muito mais atenção da sociedade diante das dificuldades econômicas que a maioria da população enfrenta. 

Imagem ilustrativa da imagem EDITORIAL - Um reajuste salarial polêmico Imagem ilustrativa da imagem EDITORIAL - Um reajuste salarial polêmico
|  Foto: Arquivo Folha
 

É o que ocorre com a decisão da Câmara de Vereadores de Jataizinho, na Região Metropolitana de Londrina, de aprovar, na última quarta-feira (9), em sessão extraordinária, projeto de lei que propõe reajuste de 10,16% nos salários do prefeito, vice-prefeito, secretários e vereadores. Se a lei for sancionada pelo prefeito representará um aumento de  cerca de R$ 1 milhão nos gastos do município. 

No domingo (13), parte dos moradores de Jataizinho saíram às ruas para protestar contra a aprovação do projeto de lei e na tentativa de pressionar o prefeito Vilson Fernando (PDT) a vetar a matéria. 

Segundo um dos organizadores da mobilização e membro do grupo Fiscaliza Jataizinho, criado para monitorar as ações do Legislativo e do Executivo, Gabriel Valentin, o salário do prefeito é de R$ 16 mil e, com o reajuste,  ficará acima dos R$ 18 mil. 

O projeto de lei foi proposto pelo presidente da Câmara, Bruno Barbosa (Cidadania), e foi aprovado por cinco votos favoráveis e dois contrários. Dois parlamentares não participaram da votação.

Caso entre em vigor, a lei permitirá o reajuste de R$ 4,5 mil para R$ 5.164 nos salários de oito dos nove vereadores. O presidente da Câmara terá o salário aumentado para mais de R$ 6 mil. 

Uma das questões que se levanta quando se aprova o reajuste do salário de um prefeito é o efeito cascata que isso pode acontecer, visto que ele é teto para o funcionalismo municipal. E diante de um cenário de crise imposto pela pandemia, é preciso refletir muito antes que essas decisões sejam tomadas sempre com base na responsabilidade com o dinheiro público e visando o equilíbrio nos gastos. 

Obrigado por ler a FOLHA!