|
  • Bitcoin 103.967
  • Dólar 5,3131
  • Euro 5,5486
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 23/05/2022, 06:56

EDITORIAL - Doar sangue também no inverno

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 23 de maio de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Os meses de outono e inverno se encaixam naqueles períodos críticos de baixo volume de doação de sangue no Brasil. Na última semana, o Hemepar (Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná) alertou a população para a necessidade urgente de doação de sangue, em especial dos tipos O-, O+ e A-.

O pedido acontece, sobretudo, porque no frio a tendência é as pessoas deixarem de doar e os bancos de sangue observam uma diminuição do estoque  em períodos de temperatura mais baixa.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, César Neves, é comum que as pessoas adotem um comportamento mais caseiro e sejam mais comuns condições como resfriado e gripe, o que cria um quadro desfavorável para a doação.

Assim, campanhas para reforçar a importância e estimular o desejo em doar é fundamental. O secretário lembra que não há substituto para o sangue e este ato de solidariedade é indispensável para salvar vidas. 

Durante a pandemia da Covid-19, principalmente nos dois últimos anos, o Brasil observou os estoques dos bancos de sangue esvaziarem. O Ministério da Saúde realizou um grande movimento de conscientização, no ano passado, no sentido de esclarecer que mesmo quem já vacinou contra a Covid-19 pode doar sangue normalmente, bastando para isso  esperar um período que varia de acordo com o imunizante aplicado. 

Também houve um esforço em esclarecer que os hemocentros estão preparados e seguem rigorosamente todos os protocolos de segurança para prevenir os candidatos à doação e os profissionais de saúde, com atendimentos, inclusive, com hora marcada. 

Agora, com a chegada do inverno, é preciso apelar novamente à consciência e boa vontade da sociedade. Os homens podem doar sangue a cada dois meses, quatro vezes ao ano. Já as mulheres, a cada três meses, numa máxima de três doações ao ano, conforme explicou a Sesa. 

Depois de coletado, o sangue é fracionado e acontece o processo de separação dos hemocomponentes (plasma, hemácias, plaquetas e crio). Após isso, a bolsa fica estocada até o resultado dos exames para a liberação. Por isso, também é importante ressaltar a validade da doação com antecedência, uma vez que, após a coleta, o sangue pode levar até 48 horas para ser liberado.

Para doar, é necessário ter entre 16 e 69 anos completos. O Hemepar é responsável pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 384 hospitais públicos, privados e filantrópicos que atuam em todas as regiões do Paraná. É uma entidade sem fins lucrativos e atende à demanda de fornecimento de sangue e hemoderivados do Estado graças às doações dos voluntários.

Este sangue doado é importante para atendimentos de urgência, emergência, grandes cirurgias e doenças crônicas. Qualquer um pode enfrentar situações difíceis e precisar de uma transfusão.

Por isso, lembre-se: doar sangue é doar vida.

Obrigado por ler a FOLHA!

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1