|
  • Bitcoin 102.049
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 01/06/2022, 00:02

EDITORIAL - A cesta e o mínimo

O valor da cesta básica é quase uma ficção. Chegar a R$ 610,58 demanda gastar tempo e percorrer vários supermercados

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 01 de junho de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Com o preço nas alturas e uma população com poder de compra cada vez menor, é um alento a notícia de que a cesta básica apresentou certa estabilidade nos dois últimos meses, segundo relatório elaborado pelo Nupea (Núcleo de Pesquisas Econômicas Aplicadas), da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná). O estudo coordenado pelo economista e colunista da Folha de Londrina Marcos Rambalducci mostrou que o preço da lista de alimentos e suas respectivas quantidades para garantir a saúde de um cidadão adulto caiu -0,27% em relação ao mês anterior.

É um alento, mas o decréscimo não representa ainda um alívio. “A cesta básica se manteve sem maiores aumentos, mas em patamar muito elevado, com aumento de 21% da cesta básica de 1º janeiro até agora", ressaltou o economista. Atualmente o valor da cesta para uma pessoa adulta está em R$ 610,58. Para uma família de dois adultos e duas crianças, o valor está em R$1.831,73. O valor da cesta individual foi obtido por levantamento realizado em onze supermercados de Londrina. 

Quando comparado o preço da cesta básica com o valor do salário mínimo é possível ter uma dimensão do drama vivido pelos trabalhadores que recebem um salário mínimo, pois eles dedicam uma boa parte do que ganham para comprar alimentos. Segundo a pesquisa, o tempo necessário de trabalho para adquirir uma cesta básica pelo salário mínimo paranaense (R$1.617,00) é de 83,1 horas (37,8%) e pelo salário-mínimo brasileiro (R$1.210,00) esse tempo é de 111 horas (50,5%), considerando uma jornada de trabalho de 220 horas mensais. 

Questionado pela reportagem sobre a possibilidade de queda do valor da cesta básica, Rambalducci afirmou que a entrada da safra de alguns produtos possibilitará um recuo na ordem de 10% ao longo dos próximos meses. Isso significará, segundo o economista, em uma  queda  de 3% ao mês até se estabilizar, mas não vai voltar ao preço praticado no fim do ano, pois a inflação impede isso.

O valor da cesta básica é quase uma ficção. Chegar a R$ 610,58 demanda gastar tempo e percorrer vários supermercados. Conforme o estudo do Nupea, em uma situação em que o consumidor comprar todas as mercadorias que compõem a cesta básica no supermercado que apresenta os menores preços, pagará por ela R$ 517,25, ou seja, 15% mais barata que a média. Uma situação inacessível à maioria das pessoas. Podemos dizer que o cidadão vai encontrar, com sorte e esforço, os melhores preços em certos produtos vendidos em alguns mercados nas proximidades de sua casa ou trabalho. 

Leia mais: https://www.folhadelondrina.com.br/economia/estados-e-municipios-tem-superavit-de-r-103-bi-em-abril-diz-bc-3206167e.html

Não é novidade afirmar que a população mais pobre continua sendo a mais prejudicada pela inflação. É necessário mais que um salário para garantir alimentação e pagar as outras despesas essenciais como moradia, água, luz e transporte. Ou seja, nem o salário mínimo e nem a cesta básica estão dando conta do básico.

Obrigado por ler a FOLHA!

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1