Associated Press
De Jerusalém
O presidente de Israel, Ezer Weizman, continuará exercendo normalmente suas funções e não renunciará durante um inquérito policial que apura acusações de que ele teria aceitado US$ 430 mil de um milionário francês, informou um assessor.
A promotora do Estado, Edna Arbel, entregou os autos do processo para a polícia nesta sexta-feira, um dia depois de ela dizer que a corporação estava sendo convocada para auxiliar o Ministério da Justiça a concluir sua investigação.
Arbel enfatizou que Weizman não estava sob investigação criminal, uma informação que, segundo a Rádio Israel, era colocada em dúvida por fontes policiais. Na véspera, a versão na imprensa de Tel Aviv apontava para uma possível renúncia de Weizman em troca de imunidade.
LíbanoGuerrilheiros do grupo pró-iraniano Hezbollah libertaram ontem dois milicianos pró-Israel, um dia após o Estado judeu e sua milícia aliada libertarem 27 supostos guerrilheiros libaneses.
Os dois membros do Exército do Sul do Líbano (ESL) optaram por não retornar à área ocupada por Israel no extremo sul do país, onde foram capturados há alguns meses, preferindo ficar na região do país controlada pelo governo.