Violência política deixa pelo menos 26 mortos na Colômbia France PresseMortos em Parajito: confronto com o Exército Associated Press De Bogotá A violência política deixou pelo menos 26 mortos – 16 guerrilheiros, oito civis e dois policiais – nas últimas 24 horas, informaram ontem fontes oficiais em Bogotá. Oito camponeses, incluindo um velho e uma criança, foram assassinados ontem por um suposto grupo paramilitar em San Luis Beltrán, no município de Yondó, situado a 295 quilômetros ao norte da capital. A matança foi executada por um grupo que deixou pichado ‘‘Autodefesa Camponesa de Córdoba e Urabᒒ, disse Leonidas Uribe, funcionário do governo de Yondó, em uma entrevista por telefone à cadeia de rádio Caracol. Este é um dos grupos paramilitares que lutam contra a guerrilha e assassina camponeses suspeitos de cooperar com os rebeldes. Em Eldorado, município situado a 323 quilômetros a sudeste de Bogotá, foram mortos quatro guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e uma menina de 15 anos foi integrada às fileiras rebeldes, informou a Agência de Notícias do Exército. Em Aguadas, município a 160 quilômetros ao sudeste de Bogotá, outros seis guerrilheiros foram abatidos no sábado em um combate com tropas do Exército. Segundo informe militar, os guerrilheiros, aparentemente das Farc, estariam envolvidos no sequestro de pecuaristas da região. Três membros da da Frente 45 das Farc, a maior guerrilha da Colômbia, morreram na zona rural Pajarito, município situado a 140 quilômetros de Bogotá, em combates com tropas da Segunda Divisão do Exército. Dois guerrilheiros das Farc morreram em outro combate ontem na zona rural do município de La Pea, situado a 70 quilômetros ao nordeste de Bogotá, onde antes haviam matado dois policiais. Um outro guerrilheiro morreu em Acandí, município da costa do Pacífico, próximo da fronteira com o Panamá, disse a Agência de Notícias do Exército. O Exército de Libertação Nacional (ELN) bloqueou novamente ontem a estrada Bogotá-Medellín que conecta as duas principais cidades do país. Segundo o general Alfonso Arellano, diretor de operações da Polícia Nacional, há combates perto do município de Cocorná, situado a 190 quilômetros ao norte de Bogotá, entre as tropas do Exército e os guerrilheiros. O ELN está bloqueando a estrada como parte de uma ofensiva que inclui destruição de torres de energia e sequestros massivos, para pressionar o governo a lhe conceder uma zona desmilitarizada no norte do país, onde ocorreriam negociações de paz. O assunto está sendo analisado por membros do governo e da guerrilha.