Associated Press
De Jacarta
Os conflitos sectários deixaram quatro pessoas mortas na ilha de Sulawesi, Indonésia, e uma batalha entre forças de segurança e rebeldes na província de Aceh deixou pelo menos seis feridos, informaram a imprensa e testemunhas nesta segunda-feira.
Um jornalista local disse que soldados abriram fogo, anteontem, contra um grupo de rebeldes na cidade de Lhoksukon, no norte de Aceh, cerca de 1.750 quilômetros a noroeste de Jacarta.
O jornalista, que falou sob condição de anonimato por temer represálias, disse que seis pessoas ficaram feridas em combates iniciados após forças de segurança incendiarem diversas residências e um mercado na cidade.
Durante os conflitos, três repórteres foram presos e espancados pelos soldados. O equipamento de filmagem destes foi confiscado, segundo o jornalista.
Um oficial militar de Lhoksukon, também falando em condição de anonimato, confirmou os incidentes e disse não ter ocorrido nenhuma morte.
Aceh, uma província rica em petróleo na área norte de Sumatra, é uma das diversas regiões indonésias onde separatistas brigam por independência. Guerrilheiros lutam contra o controle de Jacarta desde meados da década de 70. Pelo menos 5 mil pessoas morreram devido à violência durante a última década.
Na ilha de Sulawesi, no centro da Indonésia, quatro pessoas foram assassinadas e mais de 100 casas resultaram incendiadas depois de moradores entrarem em conflito com migrantes de outras ilhas, informou a imprensa local.
O comandante militar local, major-general Agus Wirahadikusuma disse ao ‘‘The Jakarta Post’’ que os combates em Luwu, no sul de Sulawesi, iniciados sexta-feira, faziam parte da mais recente rodada de violência que custou centenas de vítimas nos últimos anos.
No ano passado, após 25 anos de ocupação, a Indonésia deixou o Timor Leste. Antes, milícias pró-indonésia apoiadas por exército promoveram um banho de sangue na ex-colônia portuguesa, logo após os timorenses votarem em peso pela independência do território.