|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Mundo 5m de leitura Atualizado em 26/12/2021, 16:57 assinante

Telescópio James Webb vai investigar as origens do universo

PUBLICAÇÃO
domingo, 26 de dezembro de 2021

France Presse
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Telescópio James Webb vai investigar as origens do universo
|  Foto: Gunn/ Nasa TV/AFP
 

Kourou - Guiana Francesa - O Telescópio Espacial James Webb, uma revolução na observação do universo que os astrônomos de todo o mundo esperam há trinta anos, decolou com sucesso no sábado às 12h20 GMT (9h20 no horário de Brasília) a bordo de um foguete Ariane 5, e ficará a 1,5 milhão de quilômetros da Terra.

"Boa separação do telescópio Webb, vai Webb", anunciou Jean-Luc Voyer da base espacial de Kurú (Guiana Francesa).

A parte superior do foguete Ariane lançou o telescópio após 27 minutos de voo, que agora levará um mês para atingir seu ponto de observação, a cerca de 1,5 milhão de quilômetros da Terra.

O maior telescópio já enviado ao espaço orbitará o Sol a cerca de 1,5 milhão de quilômetros da Terra com a ambiciosa missão de responder a duas perguntas fundamentais para a humanidade: de onde viemos? Estamos sozinhos no universo?

Sua potência deve lhe permitir observar até a "aurora cósmica", momento em que as primeiras galáxias começaram a iluminar o universo após o Big Bang, há 13,8 bilhões de anos.

Também deve ajudar a entender a formação de estrelas e galáxias e observar exoplanetas para que os astrônomos descubram mais sobre eles e, eventualmente, possam identificar outros como a Terra no futuro.

James Webb seguirá os passos do telescópio Hubble, que revolucionou a observação do universo. Foi graças a ele que os cientistas descobriram a existência de um buraco negro no centro de todas as galáxias e de vapor d'água em torno dos exoplanetas.

Origens do Universo

Concebido pela Nasa após o lançamento do Hubble em 1990 e construído a partir de 2003, em colaboração com as agências espaciais europeias ESA e CSA canadense, o James Webb se distingue em mais de um aspecto.

O tamanho de seu espelho, de 6,5 metros de diâmetro, dá a ele três vezes mais área de superfície e sete vezes mais sensibilidade, o suficiente para detectar o sinal térmico de uma abelha na lua. Outra diferença é seu modo de observação.

O Hubble examina o espaço através da luz visível, mas James Webb se aventura em um comprimento de onda que escapa do olho humano: o infravermelho próximo e médio, uma radiação que emite naturalmente todos os tipos de corpos, de estrelas a humanos ou flores.

Essa luz será estudada por quatro instrumentos, equipados com processadores de imagem e espectrômetros. Seu desenvolvimento mobilizou uma multidão de engenheiros e cientistas liderados por laboratórios e indústrias americanas e europeias.

Graças a isso, "olhando para os mesmos objetos (como no Hubble), veremos coisas novas", explicou em Paris o astrônomo Pierre Ferruit, um dos cientistas responsáveis pelo telescópio da ESA.

Entre elas, estão as primeiras galáxias e as jovens colônias de estrelas, que crescem camufladas por nuvens de poeira, e até mesmo a atmosfera de exoplanetas.

Uma condição essencial para o bom funcionamento do James Webb é uma temperatura ambiente tão baixa que não complique a análise da luz. Se orbitasse a 600 km da Terra como o Hubble, o novo telescópio ficaria inutilizável, aquecido pelo Sol e seu reflexo na Terra e na Lua.

Por isso, fará uma viagem a 1,5 milhão de quilômetros de nosso planeta, protegido da radiação solar por um escudo térmico que dissipará o calor e reduzirá a temperatura (que é de 80º C) para -233º C.

Difícil implantação

Mas antes de chegar lá, a máquina deve ser implantada sem falhas, com uma série de operações envolvendo, por exemplo, 140 mecanismos de abertura, 400 polias e quase 400 metros de cabos apenas para a blindagem de proteção.

E o fato é que o telescópio, com 12 metros de altura e um guarda-sol do tamanho de uma quadra de tênis, teve que ser dobrado para ser colocado na espaçonave Ariane 5.

O encapsulamento foi feito com guia a laser para evitar danos ao instrumento, que custou quase 10 bilhões de dólares para ser desenvolvido.

Durante essas manobras, a Nasa impôs medidas draconianas de limpeza para evitar qualquer contaminação do espelho do telescópio, por partículas ou simplesmente pelo sopro de um operador.

Além disso, a sobrecapa de Ariane foi equipada com um sistema de despressurização sob medida para evitar que uma mudança de pressão danificasse o telescópio ao se separar do ônibus espacial, a uma altitude de 120 km.

"Para um cliente excepcional, medidas excepcionais", disse um funcionário da ESA em Kourou na quinta-feira.

Após 27 minutos do lançamento, será conhecido se a fase de propulsão do voo se desenvolveu corretamente, o que fortalecerá ainda mais a cooperação entre a Nasa e seus parceiros europeus.

No espaço, "uma forte cooperação é essencial para alcançar grandes feitos", disseram funcionários de ambas as agências em Kourou. Levará semanas para ver se o telescópio está pronto para funcionar.

E sua exploração mais profunda não deve começar antes de junho.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM