Associated Press
De Taipé
Taiwan reiterou ontem sua soberania, advertindo a China de que suas ameaças militares e as pressões políticas só aprofundam as tensões entre as duas partes.
O governo de Taiwan também exortou a China a retomar pacificamente as conversações bilaterais e facilitar os intercâmbios com o intuito de melhorar as relações entre o continente e a ilha taiwanesa, para onde fugiram os nacionalistas após sua derrota para os comunistas em 1949.
‘‘Taiwan é independente e soberana. Este fato não deve mudar, até mesmo após a publicação por Pequim de seu Livro Branco’’, declarou o ministro de Assuntos Continentais, Su Chi.
Em um chamado Livro Branco, publicado na segunda-feira, o governo chinês advertiu oficialmente e pela primeira vez que poderá recorrer ao uso da força se Taiwan continuar adiando indefinidamente as negociações sobre sua reunificação com a China.
Segundo Su, ao lançar sua ameaça pouco antes das eleições presidenciais do dia 18, a China está claramente tentando influenciar os eleitores. ‘‘Isso revela o quanto os líderes comunistas da China rejeitam e temem a democracia’’, disse o ministro.
Taipé é favorável à reunificação com a China somente após a mudança democrática no continente e um desenvolvimento econômico.
Na quinta-feira, Su já havia alertado para o forte contraste entre os dois lados: ‘‘Um é favorável à paz e à democracia, enquanto o outro é a favor do totalitarismo e da violência.’’