France Presse
De kampala

A polícia ugandense está em busca de outros ramos da seita da Restauração dos Dez Mandamentos de Deus, um dia depois de ter descoberto 153 cadáveres em um local situado a 45 km de Kanungu (Sudoeste), onde pelo menos 330 fiéis morreram queimados no último dia 17.
‘‘Procuramos todos os ramos, achamos que há cinco ou seis’’, declarou o ministro do Interior, Edward Rugumayo. Anteontem, 153 cadáveres, entre eles de 59 menores, foram descobertos em três fossas coletivas cavadas sob um edifício da seita em Kalingo.
As vítimas, principalmente mulheres, tinham sido estranguladas ou esfaqueadas, segundo a polícia. Alguns cadáveres ainda tinham uma corda em torno do pescoço. A maior parte das mortes remonta a quatro e seis semanas. Os corpos foram enterrados de novo em uma fossa coletiva, depois de examinados pelos médicos legistas. Kalingo era um centro de trânsito para os fiéis que se dirigiam ao quartel general da seita em Kanungu.
No último dia 18, um dia depois do incêndio de Kanungu, alguém voltou ao local de Kalingo e o incendiou. A polícia anunciou anteontem que agora considera as mortes de Kanungu como um assassinato coletivo e não como um suicídio, levando em conta que os fiéis poderiam não saber o que ia acontecer quando entraram na igreja, cujas portas e janelas foram trancadas do lado de fora.