|
  • Bitcoin 121.615
  • Dólar 5,0547
  • Euro 5,2170
Londrina

MUNDO

m de leitura Atualizado em 02/08/2022, 18:51

Oposição americana elogia viagem de Pelosi a Taiwan

Biden tenta deixar claro que a visita foi decidida individualmente pela parlamentar

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 02 de agosto de 2022

Thiago Amâncio - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Washington - A visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan provocou mais apoio da oposição do que do seu próprio Partido Democrata. Enquanto o governo do presidente e correligionário Joe Biden faz uma operação de contenção de danos e tenta deixar claro que a viagem não é uma visita de Estado e foi decidida individualmente por Pelosi, parlamentares do Partido Republicano têm manifestado apoio à presidente da Casa, que chegou à ilha do leste asiático nesta terça-feira (2) sob ameaças de escalada militar da China. 

Pelosi chegou à ilha do leste asiático sob ameaças de escalada militar da China Pelosi chegou à ilha do leste asiático sob ameaças de escalada militar da China
Pelosi chegou à ilha do leste asiático sob ameaças de escalada militar da China |  Foto: Ministério das Relações Exteriores de Taiwan/AFP
 

 Pela manhã, um grupo de 26 senadores republicanos, inclusive o líder da minoria do Senado, Mitch McConnell (Kentucky), divulgou comunicado apoiando Pelosi. "Por décadas, membros do Congresso dos Estados Unidos, incluindo ex-presidentes da Câmara, viajaram a Taiwan. Esta viagem é consistente com a política de 'uma só China' dos Estados Unidos, com a qual estamos comprometidos. Também estamos comprometidos agora, mais do que nunca, com a Lei de Relações com Taiwan", diz o grupo. 

 A lei citada, quando os EUA reconheceram o governo comunista da China em 1979, estabelece relações não diplomáticas com a ilha e diz que o país deve "manter a capacidade de resistir a qualquer uso da força ou outras formas de coerção que coloquem em risco a segurança ou o sistema social ou econômico do povo de Taiwan". Uma série de deputados republicanos também manifestou apoio de maneira descentralizada nas redes sociais e em pronunciamentos. 

LEIA TAMBÉM:

Mundo está a um erro de cálculo da guerra nuclear, diz ONU

 De forma menos organizada do que no caso dos adversários, Nancy também recebeu apoios isolados de alguns parlamentares democratas, mas é uma reação muito diferente da do próprio presidente americano. "Bom, acho que o Exército acha que não é uma boa ideia agora [visitar Taiwan]", disse Biden há duas semanas, quando questionado sobre a visita. 

 Como demover Pelosi da ideia já parecia impossível, assessores e conselheiros correram para dizer ao público e às suas contrapartes chinesas que a viagem era uma decisão independente da parlamentar e que não significava endosso do governo americano. 

 O próprio Biden afirmou isso a Xi Jinping, líder do regime chinês, quando "deixou claro que o Congresso é um ramo independente do governo e que Pelosi toma suas próprias decisões, assim como outros membros do Congresso, sobre suas viagens ao exterior", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, em conversa com jornalistas na segunda-feira (1º). 

 Para minimizar o assunto e evitar uma escalada de tensões com a China, o governo americano tem dito que viagens de parlamentares americanos à ilha são comuns. 

 Ainda que nenhuma dessas visitas recentes tenha o peso político de uma presidente da Câmara viajando em uma aeronave oficial para uma ilha que a segunda maior potência do mundo considera uma província rebelde, é fato que políticos americanos têm batido ponto em Taiwan. A viagem de Pelosi culmina um esforço bipartidário do Congresso americano de manifestar apoio à ilha em meio à crescente rivalidade dos Estados Unidos com a China. 

 Em abril, por exemplo, o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, o democrata Bob Menendez, foi junto do republicano Lindsey Graham, também senador, em uma viagem surpresa à ilha. "Abandonar Taiwan seria abandonar a democracia e a liberdade", afirmou na ocasião. 

 Em junho, os dois apresentaram um projeto de lei para fornecer cerca de US$ 4,5 bilhões em assistência à ilha nos próximos quatro anos e designá-la como um aliado extra-Otan (aliança militar ocidental). 

 "Muito feliz em ver que Pelosi chegou a Taiwan para reforçar nosso apoio ao povo taiwanês, amante da liberdade", escreveu Graham no Twitter nesta terça. "Aplaudo a decisão da presidente de viajar neste momento crucial no relacionamento de nosso país com Taiwan e, com o tempo, espero um melhor relacionamento com a China continental." 

 Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.