Um Boeing 747-400 pertencente à Singapore Airlines com destino a Los Angeles atingiu um objeto na pista durante a decolagem em meio a uma tempestade na noite de ontem, espalhando destroços em chamas pelo asfalto. Pelo menos 47 pessoas morreram.
O porta-voz da Singapore Airlines, Cheng Jeng-hsien, disse em Taipé que, além das vítimas fatais, havia 84 feridos e 48 desaparecidos. Mas em Los Angeles, outro porta-voz da companhia, James Boyd, deu informações conflitantes, dizendo haver 49 mortos e 70 feridos.
Três sobreviventes disseram ter sentido a aeronave batendo em algo na pista quando tentava decolar do Aeroporto Internacional Chiang Kai-shek, em Taipé. Funcionários da companhia disseram que o piloto também disse ter batido em algo na pista. Um funcionário da China Airways negou informações iniciais de que o Boeing teria atingido um de seus aviões em solo.
No momento do acidente, chovia torrencialmente e ventos de até 130 quilômetros por hora açoitavam a região.
Os técnicos taiwaneses que, em princípio, atribuíram o acidente a um deslocamento do avião pela ventania, investigam a informação do piloto. Procuram pelo objeto que teria atingido o Boeing em meio à tempestade. Um dos técnicos cogitou a hipótese de um raio ter atingido o avião.
Com a queda, provavelmente romperam-se os tanques de combustível, que estavam com carga máxima. Parte do líquido altamente inflamável penetrou no interior do aparelho, aumentando as proporções do desastre e o pânico a bordo.
A maioria dos primeiros 20 feridos levados a um hospital das imediações apresentava queimaduras. ‘‘O estado de pelo menos cinco é muito grave’’, disse um médico.
Passageiros que escaparam ilesos fizeram relatos dramáticos da situação a bordo, com pessoas ‘‘virando tochas’’, com ferimentos profundos e fraturas expostas.
O trabalho dos bombeiros e socorristas era dificultado pela chuva e pela ventania. Cerca de três horas depois do acidente, ainda não haviam sido encontrado 48 passageiros e tripulantes. Uma das hipóteses é que estivessem carbonizados.
As chuvas antecedem a chegada a Taiwan do tufão Xangsane, prevista para a madrugada de hoje. Com ventos de até 160 quilômetros por hora, o tufão deixou um rastro de destruição nas Filipinas e na Indonésia (25 mortos e 25.000 desabrigados).