Hebron, Cisjordânia Uma operação do exército israelense destinada a deter ativistas palestinos prosseguia, ontem, depois que os soldados israelenses mataram na noite de segunda-feira um membro do movimento radical Hamas. Mohammed Mur, membro das Brigadas Ezzedin Al Qassam, morreu na cidade de Yatta, sul da Cisjordânia. Um porta-voz militar explicou que os soldados que cercaram a casa do militante ordenaram que se rendesse, mas ele se negou e por isso foi morto depois dos disparos de aviso.
O exército israelense também prendeu ontem, perto de Belém, três jovens palestinas suspeitas de tentarem cometer um ataque suicida e descobriram um quarto de tonelada de explosivos produzidos em uma oficina caseira.
Paralelamente, o exército levantou o cerco total aos territórios palestinos, quando as perspectivas de uma guerra iminente no Iraque se afastavam e o premiê israelense Ariel Sharon continuava com suas reuniões com dirigentes palestinos.
Mossad Issar Harel, um dos fundadores do Mossad, o serviço secreto israelense, conhecido por ter organizado o sequestro, em 1960, do dirigente nazista Adolph Eichmann, morreu ontem, em Tel-Aviv, aos 91 anos de idade. Foi ele que organizou o sequestro na Argentina, após uma preparação de vários anos, de Adolph Eichmann, um dos líderes nazistas que defenderam a ''solução final'', o plano de extermínio dos judeus durante a segunda guerra mundial.