CONFLITO Hezbollah intensifica ataques no Líbano Soldados israelenses e civis foram mortos na maior ofensiva do grupo xiita depois que Israel deixou de respeitar o cessar-fogo na região France Presse De Marjayun Cinco milicianos do Exército do Sul do Líbano (ELS, milícia auxiliar de Israel) foram mortos ontem, num ataque do movimento xiita Hezbollah, no Sul do Líbano. Segundo a milícia do Exército do Sul do Líbano (ELS, pró-israelense), este é o ataque mais importante do Hezbollah desde que Israel deixou de respeitar os acordos do Comitê Internacional pelo cessar-fogo na região. Segundo a milícia pró-israelense, um civil também morreu numa outra ação do Hezbollah. Ainda de acordo com o ELS, mais três de seus milicianos ficaram feridos, dois deles gravemente, num segundo ataque dirigido, quatro horas mais tarde, contra a zona ocupada por Israel no Sul do Líbano. Num terceiro ataque, um civil libanês morreu e outro ficou ferido, na zona ocupada. Esta foi a mais grave série de ataques do Hezbollah desde a retirada de Israel do Comitê Internacional pelo cessar-fogo no Sul do Líbano, em 11 de fevereiro, após a morte de um de seus soldados, a sétima vítima dos xiitas desde 25 de janeiro. A quarta-feira também ficou marcada como o dia de operações xiitas mais severas contra o ELS desde a morte de seu número dois, Akl Hachem, assassinado em 30 de janeiro perto da fronteira entre Israel e Líbano. Aproveitando o apoio de Damasco, Teerã e do governo libanês, o Hezbollah intensificou seus ataques contra o exército israelense e sua milícia auxiliar, espalhada ao longo de uma faixa de fronteira de 850 km2, depois do adiamento das conversações de paz entre sírios e israelenses, previstas para 19 de janeiro, nos Estados Unidos. Na madrugada de ontem, os cinco milicianos do Exército do Sul do Líbano realizavam uma missão de patrulhamento, em Ain Jania, perto da localidade de Hasbaya, no setor oriental do território ocupado pelos israelenses, quando o veículo em que estavam explodiu, matando seus ocupantes. O Hezbollah confirmou, num comunicado, ter atacado, às 5h30 locais (00h30 de Brasília), com armas automáticas e foguetes antitanque, uma patrulha do ELS em Ain Jania. ‘‘Toda a patrulha foi dizimada e nossos combatentes conseguiram voltar à base sem sofrer baixas’’, informou o comunicado dos xiitas. Num segundo ataque xiita a Hasbaya, após a ação armada contra a patrulha, um civil libanês, o estudante Sami Hammam, de 21 anos, foi assassinado e um segundo civil, Ghassan Abu Hamad, de 42 anos, ficou ferido, em consequência da explosão de morteiros disparados pelos xiitas. Quatro horas mais tarde, o Hezbollah voltou a atacar, desta vez disparando um míssil contra uma posição do ELS em Tayr Harfa, no setor ocidental da zona de ocupação israelense. Três milicianos ficaram feridos, dois deles gravemente, segundo a própria milícia pró-israelense.