|
  • Bitcoin 102.668
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Mundo

m de leitura Atualizado em 07/03/2022, 19:49

Guerra da Ucrânia deixa mortos em ataques contra unidades de saúde

A OMS categorizou a maior parte dos ataques como fruto de "artilharia pesada", o que inclui ações que envolvem tanques e morteiros

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 07 de março de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

São Paulo - Bombardeios e explosões na guerra na Ucrânia atingiram ao menos 14 hospitais e outros equipamentos de saúde no país, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda (7). Os ataques deixaram ao menos nove mortos, dos quais sete eram profissionais de saúde, e 16 feridos, informou a entidade. 

Ao todo, 16 ataques foram reportados, mas a OMS não conseguiu confirmar dois deles, que teriam ocorrido já no primeiro dia da invasão russa, em 24 de fevereiro. Segundo o relatório divulgado pelo sistema de vigilância da OMS, os demais episódios ocorreram até a última quinta-feira (3). 

Não foram divulgadas informações sobre os locais exatos dos hospitais e equipamentos atingidos nem sobre os responsáveis pelos ataques Não foram divulgadas informações sobre os locais exatos dos hospitais e equipamentos atingidos nem sobre os responsáveis pelos ataques
Não foram divulgadas informações sobre os locais exatos dos hospitais e equipamentos atingidos nem sobre os responsáveis pelos ataques |  Foto: Dimitar Dilkoff/AFP
 

A entidade categorizou a maior parte dos ataques como fruto de "violência com artilharia pesada", o que inclui ações que envolvem tanques, mísseis, bombas e morteiros. Outras ofensivas, na classificação da OMS, envolveram armas individuais, como facas, tijolos, granadas e artefatos explosivos improvisados. 

Não foram divulgadas informações sobre os locais exatos dos hospitais e equipamentos atingidos nem sobre os responsáveis pelos ataques. No domingo (6), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, havia dito em uma publicação no Twitter que a organização estava investigando uma série de ataques contra a infraestrutura de saúde da Ucrânia, com "múltiplas mortes e lesões". 

"Ataques a instalações ou a profissionais de saúde rompem a neutralidade médica e são violações do direito internacional humanitário", afirmou Tedros. Além do dano a unidades e equipamentos de saúde, a Ucrânia já sofreu prejuízos bilionários desde o início da guerra. O ministro da Infraestrutura Oleksander Kubrabov divulgou nesta segunda um balanço que estima os estragos em US$ 10 bilhões (R$ 50,9 bi). 

Segundo ele, a maior parte das estruturas prejudicadas deve ser reparada em até um ano, mas alguns danos podem demandar o dobro de tempo. As perdas humanas entre civis da Ucrânia também continuam crescendo. O relatório mais recente da Organização das Nações Unidas (ONU) contabiliza pelo menos 406 civis mortos, entre os quais estão 27 crianças. O número de óbitos, no entanto, pode ser ainda maior, visto que o levantamento inclui apenas as mortes que a ONU conseguiu confirmar oficialmente. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.