Associated Press
Santiago
O presidente Ricardo Lagos proibiu ontem a realização de um congresso nazista no Chile e ordenou à Interpol e à polícia chilena que impeçam a entrada no país de pessoas vinculadas a esses grupos durante as próximas semanas, e que se alguma delas entrar será expulsa.
Os 13 governadores regionais também estão instruídos a proibir quaisquer atos públicos vinculados ao movimento de extrema-direita, que desde o ano passado prepara a realização de um congresso internacional em território chileno entre 17 e 22 de abril.
Lagos recebeu anteontem a visita do presidente mundial do movimento judeu B’nai Brith, a quem prometeu utilizar todos os recursos legais possíveis para evitar o encontro dos nazistas. Seu porta-voz, Claudio Huebe, declarou ontem que os chilenos são muito sensíveis ao tema dos direitos humanos e compreendem ‘‘o sofrimento do povo judeu no Holocausto e o que pode significar o renascimento das doutrinas nazistas’’.
À medida que se aproxima a data do pretenso congresso, cresce a inquietação da sociedade chilena. Algumas bandas de rock decidiram organizar para primeiro de abril um ‘‘Festival Antinazista pela Paz, a Cultura e a Tolerância’’.