|
  • Bitcoin 118.109
  • Dólar 5,2177
  • Euro 5,3453
Londrina

MUNDO

m de leitura Atualizado em 12/07/2022, 17:54

Despedida de Abe reúne multidão em Tóquio

Político japonês foi assassinado durante comício; cortejo passou por locais emblemáticos da capital

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 12 de julho de 2022

France Presse
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Tóquio - Milhares de pessoas se reuniram nesta terça-feira (12) nas ruas de Tóquio para observar a passagem do cortejo fúnebre do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assassinado na semana passada, depois do funeral privado organizado em um templo budista. 

Philip Fong/AFP 

No trajeto nas ruas, várias pessoas rezaram e exibiram fotografias de Abe Philip Fong/AFP 

No trajeto nas ruas, várias pessoas rezaram e exibiram fotografias de Abe
Philip Fong/AFP No trajeto nas ruas, várias pessoas rezaram e exibiram fotografias de Abe |  Foto: Philip Fong/AFP
 

A cerimônia fúnebre teve apenas familiares e amigos como convidados, mas longas filas de pessoas vestidas de preto foram observadas diante do templo Zojoji para se despedir do ex-primeiro-ministro. 

"Não consigo superar a tristeza. Vim para deixar flores e orar", declarou a consultora Tsukasa Yokawa, 41, que chamou Abe de "grande primeiro-ministro". 

Abe foi baleado na sexta-feira (8) durante um comício na cidade de Nara, dois dias antes das eleições para o Senado, nas quais seu partido consolidou uma grande maioria no domingo (10).  

O autor dos disparos, Tetsuya Yamagami, de 41 anos, detido logo depois do ataque, declarou à polícia que cometeu o atentado porque acreditava que Abe estava vinculado a uma organização religiosa que teria prejudicado a família dele. 

Após a homenagem, o cortejo com o caixão de Abe passou por locais emblemáticos da capital japonesa e pelos símbolos do poder, como a residência oficial do primeiro-ministro, conhecida como Kantei, e a sede do Parlamento. Do lado de fora dos edifícios, funcionários prestaram reverência como sinal de respeito.  

A viúva de Abe, Akie, sentou na parte da frente do carro da funerária com a lápide de seu marido com seu nome póstumo, de acordo com a tradição budista. Akie retribuiu as reverências durante o cortejo. No trajeto, várias pessoas rezaram e exibiram fotografias de Abe. 

O ministro da Defesa do Japão, Nobuo Kishi, irmão de Abe, chamou o crime de "ato terrorista". "Perdi meu irmão e o Japão perdeu um líder insubstituível", escreveu no Twitter. "Meu irmão amava o Japão e arriscava sua vida pela política e para proteger esta nação", acrescentou. 

Satoshi Ninoyu, presidente da Comissão Nacional de Segurança Pública, organismo que supervisiona a polícia, prometeu uma análise profunda das possíveis falhas de segurança. 

A polícia de Nara admitiu problemas no esquema de segurança de Abe, que foi atacado por trás em plena luz do dia. Na casa do suspeito, a polícia encontrou peças que poderiam ser utilizadas para fabricar armas como a que empregou no ataque, informou a imprensa japonesa. 

Yamagami teria passado três anos na Marinha japonesa e supostamente afirmou aos investigadores que a mãe dele fez uma grande doação a uma organização religiosa, o que deixou a família com problemas financeiros. 

A Igreja da Unificação, um movimento religioso fundado nos anos 1950 na Coreia do Sul, conhecido como "seita Moon", informou na segunda-feira (11) que a mãe de Yamagami era integrante da igreja, mas não citou as doações que ela teria feito. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.