|
  • Bitcoin 121.350
  • Dólar 5,0504
  • Euro 5,2179
Londrina

MUNDO

m de leitura Atualizado em 02/08/2022, 16:13

Cristina Kirchner é acusada de liderar matriz de corrupção na Argentina

Ministério Público Fiscal apura supostas irregularidades na concessão de obras públicas

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 02 de agosto de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

São Paulo - A vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi acusada por promotores de criar e liderar uma "extraordinária matriz de corrupção" ao lado de seu falecido marido, Néstor Kirchner, durante o período em que comandaram o país. 

Atualmente, Cristina Kirchner é ré em cinco processos, embora vários casos por supostos crimes ocorridos em seus dois mandatos presidenciais tenham sido arquivados Atualmente, Cristina Kirchner é ré em cinco processos, embora vários casos por supostos crimes ocorridos em seus dois mandatos presidenciais tenham sido arquivados
Atualmente, Cristina Kirchner é ré em cinco processos, embora vários casos por supostos crimes ocorridos em seus dois mandatos presidenciais tenham sido arquivados |  Foto: Juan Mabromata/AFP/21-5-2019
 

 Em um processo que apura supostas irregularidades na concessão de obras públicas, o Ministério Público Fiscal argentino informou nesta segunda-feira (1º) ter comprovado a existência de uma associação ilícita, entre 2003 e 2015, que tinha no topo de seu funcionamento os chefes de Estado. 

 De acordo com o promotor Diego Luciani, os supostos ilícitos começaram no governo de Néstor Kirchner - que presidiu a Argentina entre 2003 e 2007- e continuaram durante o mandato de Cristina (2007-2015). 

 O julgamento, que começou em maio de 2019 e foi suspenso em 2020 por causa da pandemia, abriu a fase de alegações. A atual vice-presidente participou por videoconferência. 

 O Ministério Público vai expor as alegações em nove audiências programadas para as próximas três semanas. Em seguida, será a vez de a defesa se pronunciar. Caso seja condenada, Cristina Kirchner pode perder seus direitos políticos. 

LEIA TAMBÉM

Cristina Kirchner, um ícone político em apuros

 O processo, que contempla outros 12 envolvidos, procura determinar se houve um direcionamento na concessão de obras públicas na província de Santa Cruz, no sul da Argentina, considerada reduto político dos Kirchner. 

 Segundo o jornal argentino “La Nación”, os promotores expuseram suas alegações durante oito horas, buscando comprovar que os Kirchner transformaram o empresário Lázaro Báez no maior beneficiário de obras públicas da província.  

A acusação diz que o ex-bancário recebia dinheiro superfaturado do esquema de corrupção e retornava ao casal por meio dos negócios hoteleiros da família. 

 Segundo o promotor Luciani, Báez atuou como sócio de Néstor Kirchner e sua esposa, que seriam os líderes de uma "extraordinária matriz de corrupção". As obras, ele disse, geraram perdas incomensuráveis para o Estado e continuam sem conclusão. 

 Contudo, uma auditoria realizada a pedido da Justiça pela Vialidad Nacional, entidade vinculada ao Ministério de Obras Públicas, afirmou que os trabalhos foram finalizados. 

 A UIF (Unidade de Informação Financeira) também havia considerado irresponsável avançar na acusação, desprezando os argumentos da promotoria sobre a existência dos crimes de administração fraudulenta e associação ilícita. 

 O atual presidente argentino, Alberto Fernández, que foi chefe de gabinete nos governos Kirchner, depôs pessoalmente no caso em fevereiro e respaldou a vice-presidente ao afirmar que nunca houve distribuição arbitrária de fundos. 

 Atualmente, Cristina é ré em cinco processos, embora vários casos por supostos crimes ocorridos em seus dois mandatos presidenciais tenham sido arquivados. 

 Assim como fez em outros processos, ela se defende, segundo o jornal “Clarín”, dizendo estar sendo vítima de lawfare (perseguição jurídica) iniciado após o governo de Mauricio Macri (2015-2019). 

 Em outubro do ano passado, foi arquivado o caso no qual Cristina era acusada de acobertar os responsáveis pelo atentado contra a associação judaica Amia, em Buenos Aires, ocorrido em 1994, e que deixou 85 mortos e 300 feridos. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.