Construção de
mesquita causa
desentendimentos
O clima de tensão entre cristãos e muçulmanos, em relação ao polêmico projeto de construção de uma mesquita perto de um dos lugares mais sagrados dos cristãos, aumentou na véspera da visita do papa a Nazaré, onde Jesus passou a infância.
Islamitas árabes israelenses, que planejam construir uma mesquita perto da basílica da Anunciação, advertiram o papa contra qualquer tentativa de bloqueio da iniciativa.
O Santo Padre deve celebrar hoje missa nesta basílica, construída no local onde, segundo a tradição cristã, o anjo Gabriel anunciou a Maria que ia dar à luz Menino Jesus.
Sua Santidade começou sua peregrinação na Terra Santa por Belém, onde nasceu Jesus, e a concluirá amanhã em Jerusalém, onde Cristo foi crucificado.
‘‘Ninguém pode parar nossos fiéis’’, proclamou o imã Fathi Qichawi durante as orações ontem, na pequena praça onde deve ser erguida a mesquita.
‘‘Afirmamos com clareza: é nosso anfitrião, é bem-vindo à Terra Santa, mas não deve intervir em nossa Terra Santa’’, proclamou o imã ante mil fiéis que rezaram à sombra da basílica, cujas torres dominam esta cidade de 60 mil habitantes.
Um sacerdote católico afirma que a advertência dos islamitas atenta contra o espírito de bom entendimento religioso e de diálogo que constitui um dos principais temas da visita do Santo Padre à Terra Santa.
A autorização dada ano passado pelas autoridades israelenses para a construção desta mesquita despertou as críticas de dirigentes de diversas igrejas cristãs, que ordenaram o fechamento, durante dois dias no mês de novembro, dos sítios cristãos na Terra Santa, em sinal de protesto.
Os líderes islâmicos afirmam que o terreno lhes pertence e que, por conseguinte, podem utilizá-lo como lhes pareça oportuno. Também advertiram contra o risco de violência, se a mesquita não for levantada no local onde existe hoje um pequeno mausoléu, túmulo de Shihab el-Din, um presumível parente de Saladino, o general curdo que lutou contra as cruzadas no século XII.
As autoridades israelenses não assumem riscos e enviaram reforços policiais para garantir a segurança hoje, enquanto que uma câmara vigia o lugar dia e noite.