France Presse
De Madri
A Corte Nacional espanhola começou ontem a investigar acusações de genocídio, terrorismo e torturas supostamente cometidos na Guatemala durante o regime militar, entre 1962 e 1996.
As acusações contra ex-presidentes e outros militares guatemaltecos foram apresentadas por Rigoberta Menchú, Prêmio Nobel da Paz. Menchú baseia sua denúncia no relatório da Comissão para Esclarecimento Histórico (CEH), criada em 1994, e que estima em 200 mil o número de vítimas no conflito armado em seu país.
Menchú destaca o caso do assalto à embaixada espanhola em 1980, em que morreram pelo menos 37 pessoas, entre as quais vários espanhóis e seu pai. Entre os acusados estão os ex-presidentes Efraín Ríos Montt, Romeo Lucas García e Humberto Mejía Victores, além de vários militares.