Carlos Castaño mostra o rosto e pede anistia France PresseCarlos Castaño, paramilitar colombiano Associated Press De Bogotá O lendário chefe paramilitar colombiano Carlos Castaño retirou o manto de mistério que rodeava sua imagem, mostrou seu rosto e fez exigências para que o governo outorgue indultos, anistia e reconhecimento político aos combatentes que desistirem das armas depois da assinatura da paz com as guerrilhas. Em uma entrevista concedida anteontem à rede Caracol, Castaño permitiu pela primeira vez que uma câmera de televisão mostrasse seu rosto. Segundo a lenda, a guerrilha dizimou sua família. Castaño admitiu a crueldade das ações de suas unidades. O comandante – cujas unidades são acusadas por autoridades como responsáveis por centenas de mortes cruéis – disse ainda que cerca de 70% de seu financiamento são provenientes do narcotráfico, embora tenha assegurado que suas unidades trabalham com drogas. Ele assegurou também que caso a paz seja assinada, sua organização entregaria 11.200 homens em armas.