Bannon deve ser acusado de obstruir investigação de ataque ao Capitólio

Estrategista de extrema-direita recusou-se a comparecer a audiência; atos tentavam impedir a confirmação da vitória de Biden

Folhapress
Folhapress

São Paulo - O estrategista de extrema-direita Steve Bannon, guru do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ídolo dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Brasil, deve ser acusado de desacato criminal pelo Comitê dos Representantes, responsável por investigar os ataques em janeiro contra o Capitólio, a sede do Congresso norte-americano.


Bannon se recusou a comparecer à audiência que estava marcada para a última quinta-feira (14). Na ocasião, ele alegou estar protegido por privilégios executivos, mesmo sem ocupar qualquer cargo dentro da Casa Branca, atualmente gerida pelo democrata Joe Biden, de quem ele é opositor.


Na quarta-feira (13), os advogados do estrategista enviaram uma carta ao Comitê em que afirmava que ele não iria prestar qualquer testemunho ou fornecer documentos enquanto o grupo não chegasse a um acordo com Trump. Na ocasião, a defesa apontou que o assunto diz respeito ao Comitê e o conselho do ex-presidente, e que seu cliente "não está convocado a responder neste momento".

 

Partidários de Trump atacaram o Capitólio no dia 6 de janeiro deste ano
Partidários de Trump atacaram o Capitólio no dia 6 de janeiro deste ano | Saul Loeb/AFP
 


O deputado democrata e presidente do Comitê, Bennie Thompson, acusa Steve Bannon de se "esconder atrás de declarações insuficientes e vagas do ex-presidente Donald Trump".


Após a recusa do guru, a imprensa norte-americana avalia que a punição a ser aplicada a ele servirá como um exemplo de como o Congresso do país responderá a esse tipo de situação e também até que ponto eles pretendem ir para punir os culpados pela invasão ocorrida em 6 de janeiro.


O Comitê da Câmara checa se há algum vínculo entre Trump e Bannon nos fatos que levaram até os ataques que tentavam impedir a confirmação da vitória de Biden sobre o republicano. Em seu podcast "War room", o guru da extrema-direita admitiu ter aconselhado Trump a "eliminar o governo Biden ainda no berço, por sua incompetência e ilegitimidade".


Após votação do Comitê, a acusação será encaminhada ao plenário da Câmara, formado por maioria democrata, e deverá ser confirmada. Se culpado, Bannon pode ter que pagar multa, além de enfrentar 12 meses de prisão. Em seguida, o processo segue para o Departamento de Justiça dos EUA, e não tem prazo para ser concluído.


Os democratas vêm nesse movimento de Steve Bannon mais uma de suas artimanhas para atrasar as investigações. Ele chegou a ser preso em agosto do ano passado acusado de desviar dinheiro de uma campanha para arrecadar fundos para a construção de um muro na fronteira com o México, uma das principais bandeiras que elegeu Donald Trump em 2016. Em janeiro, pouco antes do fim de seu mandato, o republicano concedeu perdão presidencial ao guru.


Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo