IBM, USP e Fapesp inauguram Centro de Inteligência Artificial


Mie Francine Chiba - Grupo Folha
Mie Francine Chiba - Grupo Folha

Em parceria com USP (Universidade de São Paulo) e Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), a IBM deu início nesta terça-feira (13) às atividades do Centro de Inteligência Artificial (C4AI), o primeiro da companhia no Brasil dedicado ao desenvolvimento de pesquisas de ponta na área de IA em temas de grande impacto social e econômico. O centro fica no prédio do Centro de Pesquisa e Inovação InovaUSP, no campus da USP em São Paulo.

 

IBM, USP e Fapesp inauguram Centro de Inteligência Artificial
Marcos Santos/USP Imagens
 


De início, o centro vai endereçar cinco grande desafios relacionados à saúde, meio ambiente, cadeia de produção de alimentos, futuro do trabalho e desenvolvimento de tecnologias de Processamento de Linguagem Natural em Português.


Três comitês de acompanhamento serão criados para levantar temas de interesse comum do País, com foco na indústria, ciência e sociedade. Esses comitês serão responsáveis por  ampliar os desafios iniciais e fazer com que eles tenham aplicação no dia a dia das empresas e da sociedade.


O Centro contará também com uma segunda unidade para capacitar estudantes e profissionais, no Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC), no campus da USP em São Carlos, com o objetivo de disseminar o conhecimento e repassar os benefícios da tecnologia para a sociedade.


Quando perguntados sobre o interesse de trabalhar com pesquisadores e empresas do Paraná, os porta-vozes do centro disseram em coletiva de imprensa que, como os recursos provêm, principalmente, da USP e Fapesp, o trabalho da instituição vai envolver, prioritariamente, o Estado de São Paulo.   


"Mas não significa que como pesquisadores não estejamos interessados em trabalhar com outros estados", disse Fábio Cozman, diretor do C4AI. Segundo ele, o centro servirá como "catalisador de uma rede de contatos" da área de IA.


Claudio Pinhanez, vice-diretor do C4AI, disse que uma das propostas do centro é trabalhar "ao máximo" com pesquisa aberta, com dados abertos e código aberto. "É uma forma simples e efetiva de disseminar dados, conhecimento e incentivar a colaboração."


Conheça os desafios iniciais que vão guiar o trabalho do C4IA:

1) AgriBio - modelos de causa e efeito para processos de tomada de decisão com incerteza para o setor de agricultura

2) KEML (Knowledge-Enhanced Machine Learning) - Aprendizado de máquina integrado com conhecimento simbólico com foco na Amazônia Azul (Blue Amazônia Brain)

3) Modelamento de AVCs usando técnicas multimodais de análise de redes para melhorar diagnósticos, tratamento e reabilitação

4) IA em países emergentes: políticas públicas e o futuro do trabalho

5) PLN (Processamento de Linguagem Natural) de última geração para o português 

(com informações da assessoria de imprensa)

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo