A caixa de papelão do G4 500 Dual parece a antiga, dos G4 tradicionais, até que se abre. Ao invés do teclado-de-laptop-de-pôr-na-mesa original do iMac (que, não se sabe bem por quê, havia sido adotado no topo de linha da Apple), o que se vê é o novo Pro Keyboard. Uma reedição revista e ampliada do Extended Keyboard, o melhor teclado que a Apple fabricou. As teclas são maiores, macias e precisas, e o look prata-e-gelo é limpo e agradável. O botão de ligar/desligar não existe mais, mudou-se para o monitor ou CPU (se o seu monitor não for Apple, a CPU terá que ficar à mão). Mas, se um botão se foi, outros apareceram em seu lugar: teclas de volume (up, down e mute) e de ejeção do CD/DVD.
O mouse também foi revisto. O modelo ‘‘ame-o ou deixe-o’’ (com mais gente deste último lado...) redondinho foi substituído pelo que Steve Jobs pretende que seja ‘‘o melhor mouse da indústria’’, um mouse sem botão. Na verdade, o mouse é, todo ele, um enorme botão, exceto na parte traseira. Não é, como alguns entenderam, um mouse que se comunica com a CPU por infravermelho: ele tem fio mas, ao invés da bolinha e das roldanas, trabalha com um sistema infravermelho de rastreamento, igual ao do mouse da Microsoft para PCs. Isso torna o mousepad desnecessário e a limpeza do mecanismo coisa do passado.
Ah, sim, a CPU. À primeira vista, é um G4 tradicional. A única diferença visível externamente é o led indicador de ligado, que agora é branco ao invés de verde. Abrindo-se a caixa (o gabinete é igual ao do G3, que se abre de uma só vez) aparece a real diferença. Um grande dissipador de calor cobre as duas CPUs, instaladas num mesmo card, que se comunica com a placa-mãe através de um único soquete ZIF – o que tem sido motivo de questionamento por algumas publicações, como limitador de performance.
A configuração padrão é excelente, com 40Gb de HD, 256Mb de RAM (ainda que rodando a 100MHz, enquanto o mercado já está em 133MHz) e DVD-RAM capaz de escrever em ambos os lados de mídias de 9.4 Gb (4.7Gb por lado). A placa de vídeo é uma ATI Rage Pro 128 com 16Mb de VRAM, mas nos EUA já há uma opção ATI Radeon com 32Mb. A placa de rede built-in é de 10/100/1000 Mb/s (Gigabit Ethernet), um plus e tanto, se pensarmos que apenas uma placa dessas custa centenas de dólares.
E a performance? Bem, se você acha que já usou um Mac rápido, esqueça! O Photoshop abre em poucos segundos, a splash screen do Power Point mal pode ser lida. O boot, martírio do usuário, é rapidíssimo, mesmo para um Mac. O preço do brinquedo (CPU/teclado/mouse) está em R$ 11 mil.