O vazamento de fotos íntimas de atrizes famosas do serviço de armazenamento em nuvem da Apple, o iCloud, levantou questionamentos sobre a segurança deste tipo de serviço. Celebridades como Jennifer Lawrence, Kirsten Dunst e Selena Gomez tiveram fotos roubadas do serviço na nuvem e publicadas na internet. A Apple nega que alguma falha no serviço tenha contribuído para o fato. Segundo especialistas, o caso trouxe à tona erros comuns cometidos pelas pessoas ao guardar seus dados, como o uso de senhas fracas ou das mesmas senhas em diferentes serviços.
Em nota divulgada pela empresa no último dia 2, a Apple afirma que investigações realizadas por engenheiros da companhia chegaram à conclusão que as contas destas celebridades foram comprometidas por um ataque direcionado a nomes de usuário, senhas e perguntas de segurança, "uma prática que tem se tornado muito comum na internet", e que nenhuma das investigações resultou em uma brecha em qualquer dos sistemas da Apple, incluindo o iCloud.
"A investigação sobre o que aconteceu ainda está em andamento, mas acredito que vamos chegar à mesma resposta de sempre: o usuário não se preocupa com a segurança necessária", declara Marco de Mello, CEO da empresa de soluções de segurança da informação PSafe. Não ter uma solução de segurança instalada no computador ou dispositivo móvel, usar senhas fracas ou a mesma senha para serviços diferentes são alguns tipos de comportamento arriscado que os usuários têm na web. "Assustadoramente, estudos comprovam que 30% da população usa as senhas 0000 ou 1111 para os serviços. As pessoas não levam segurança a sério."
Para Mello, o que aconteceu com as famosas não quer dizer que a nuvem não seja segura. Cada forma de armazenamento de dados tem seus prós e contras. Enquanto os serviços na nuvem exigem cautela no uso de senhas, guardar dados em um HD externo também pode inspirar cuidados no momento em que o aparelho é conectado no computador, principalmente se este estiver comprometido. Além disso, os dados contidos em um dispositivo também podem parar nas mãos de pessoas mal intencionadas se o aparelho for perdido ou roubado.
Para o especialista em segurança da Symantec, Paulo Prado, os serviços de armazenamento em nuvem são seguros tanto do ponto de vista de proteção de senhas quanto no de transporte dos dados do computador do usuário à nuvem. Mas as atrizes afetadas pelo vazamento de fotos íntimas podem ter sido vítimas de mecanismos de captura de dados, como o phishing, clicando em links de e-mails falsos e abrindo portas para vírus e outras ameaças. "Nada, a não ser o usuário, pode barrar este tipo de problema."
Na opinião de Rodrigo Suzuki, gerente de consultoria da PromonLogicalis, provedora de serviços e soluções na área de Tecnologia da Informação, o que pode ter acontecido para as fotos íntimas das celebridades terem vazado foi o uso de computadores infectados - e que podem "gravar" o que a pessoa digita, inclusive senhas - ou o uso de redes Wi-Fi desconhecidas.

Imagem ilustrativa da imagem Arquivos pessoais guardados a ‘sete chaves’


Continue lendo:

- Criptografia é camada adicional de proteção


- Política de privacidade deve ser lida