Carolina Avansini
De Londrina
Especial para a Folha
As varandas ou sacadas constituem boa opção de espaço para reunir a família, receber os amigos ou simplesmente relaxar. Em apartamentos ou casas térreas, a utilização de plantas na decoração do local humaniza o ambiente e cria o diferencial necessário para os momentos de descontração e lazer. Vasos e floreiras são os acessórios mais utilizados para transformar sua sacada em um verdadeiro jardim. Se a intenção é criar um espaço aconchegante e propício à contemplação da natureza, é importante tomar alguns cuidados e escolher as espécies mais adequadas.
O engenheiro agrônomo Vítor do Santos Junior, sócio gerente de uma empresa especializada em jardinagem, ensina que as plantas devem ser escolhidas de acordo com o clima do local, a quantidade de luz e o tamanho do ambiente. ‘‘Se colocarmos uma planta que não se adapta às condições naturais, ela vai acabar morrendo.’’ No caso específico das varandas, a melhor opção são as espécies rústicas, que resistem bem às intempéries e sobrevivem na terra que não está em contato com o solo.
Nas sacadas, ele sugere colocar plantas pendentes, como o a aspargo ou a rosselia, que são resistentes e causam um belo efeito visual no lado de fora. A rosselia inclusive chama beija-flores – um atrativo a mais que faz a alegria das crianças. Em ambientes onde há muita incidência de sol, o ideal é optar pelas espécies suculentas de pequeno porte, dotadas de reserva própria de água. Na sombra, gerânios ou violetas pendentes são garantia de plantas bonitas durante o ano inteiro.
Vítor não recomenda a mistura de espécies em um mesmo vaso ou floreira. ‘‘O efeito pode se reverter em poluição visual’’, ressalta. Porém, utilizar plantas da mesma espécie agrupadas dá volume ao arranjo e garante mais beleza. ‘‘Outra opção e combinar itens de baixo porte na forração e ornamentar com espécies de porte mais alto. ‘‘Uma combinação acertada é plantar lírio na parte inferior e intercalar com palmeira ráfia’’, afirma o engenheiro.
As palmeiras de pequeno porte também podem ser plantadas em vasos individuais, assim como as folhagens e as flores. Se o espaço disponível for grande, bambuza, bambu-mossô e outras espécies de porte maior ficam bem se combinadas com forração de pedras.
O agrônomo afirma que é possível inclusive plantar direto no chão, desde que o solo tenha profundidade mínima de 30 cm. ‘‘Nesses casos, dá para fazer um jardim completo, com maior variedade e até mesmo grama’’, diz.
Nos espaços pequenos, uma boa solução é a utilização de muitos vasos fixados na parede. O efeito é original e a composição demanda poucos cuidados. ‘‘A orquídea se adapta bem a essa situação, mas a escolha do tipo de flor deve ser condizente com as condições do local’’, lembra Vítor.
Independente do tipo de arranjo escolhido, é importante que o resultado final seja agradável aos moradores da casa. ‘‘Não adianta nada colocar inúmeros vasos e floreiras se o efeito final não for prazeiroso aos olhos. O cultivo de plantas é acima de tudo uma atividade que dá vazão à contemplação, por isso a decisão tem que privilegiar as preferências pessoais. Caso contrário, será como usar uma roupa que você não gosta’’, completa o profissional.Vasos e floreiras são os acessórios necessários para transformar sacadas e terraços em agradáveis áreas de descanso
ReproduçãoCONTEMPLAÇÃO O cultivo de plantas é acima de tudo uma atividade que dá vazão à contemplação, por isso a decisão tem que privilegiar as preferências pessoais