Da Redação
O sistema de autogestão do Projeto Casa Feliz da Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná) está servindo de referência para o curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Londrina-UEL. O sistema permite que cada morador construa a sua casa de acordo com a sua personalidade e necessidade, eliminando assim a massificação e a padronização, como acontecia nos antigos conjuntos habitacionais.
Segundo o professor Pedro Palma, da disciplina de Projetos, quatro professores do quarto ano do curso decidiram escolher habitação popular como último trabalho das turmas, utilizando como exemplo as Moradias Cabo Frio, recém-inaugurado em Londrina. ‘‘Neste projeto, os alunos encontram uma arquitetura com soluções criativas. Por isso ele foi escolhido como modelo para os alunos’’, explica Palma.
Palma destaca ainda que projetos como o das Moradias Cabo Frio tiram a carga pejorativa e a imagem degradada dos conjuntos habitacionais tradicionais onde um vizinho, mesmo não querendo, tinha a casa igual a do outro. ‘‘Ele é diferente até no nome e se incorpora a região onde é construído, além de ter uma identidade própria’’, completa.
Como se trata de um residencial com moradias diversificadas, o Cabo Frio forma um novo bairro em Londrina, com 441 residências divididas em 269 casas, 158 apartamentos e 14 sobrados, de tamanhos diferentes, além das ruas de ofício (casas e sobrados com uma dependência para comércio e serviços). Construído num terreno de 208 mil metros quadrados, na Zona Norte de Londrina, o complexo habitacional beneficia aproximadamente 2.205 pessoas.
O Programa Casa Feliz, que já atendeu 36 mil famílias no Paraná, está sendo recomendado pela Caixa Econômica Federal como modelo de habitação popular para outros estados. Por R$ 6 mil se faz a construção de uma casa de alvenaria de 44,5 metros quadrados. ‘‘É um dos custos mais baixos da construção civil no Brasil’’, garante o secretário da Habitação e presidente da Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná), Rafael Dely.
A recomendação do Casa Feliz está sendo feita pelo presidente da Caixa, Emílio Carazzai, que em março passado visitou o complexo habitacional Cabo Frio, em Londrina. ‘‘Ele ficou impressionado com o preço e a qualidade das casas’’, diz Dely. No cabo Frio, são 441 moradias diferentes, construídas em tempo recorde e a baixo custo’’, completa. Cada moradia levou em média 35 dias para ficar pronta.