A exigência da assinatura de um fiador na hora de fechar o contrato de locação de um imóvel ainda é a maior preocupação entre os candidatos a inquilino. Afinal, além de ter que encontrar alguém que preencha todos os requisitos solicitados, a fiança locatícia é coisa séria: deixou de ser ‘favor de amigo’, e virou modalidade de seguro.
A alternativa para livrar-se do constrangimento de pedir favor, oferecido pelas seguradoras, tanto a locador quanto locatário, é o seguro-fiança. O contrato, realizado junto às imobiliárias, substitui a assinatura do fiador com maiores garantias ao proprietário.
Apesar de beneficiar as três partes envolvidas em uma locação (inquilino, proprietário e a administradora), o seguro fiança é utilizado em apenas 30% dos contratos firmados no Brasil. ‘‘O número ainda é pequeno, se considerarmos as vantagens proporcionadas ao inquilino – que não precisa apresentar fiador – e ao dono do imóvel – que fecha o negócio com a certeza de não enfrentar problemas no caso de inadimplência’’, diz Alexandre de Castro, representante, em Londrina, da Interbrasil Seguradora.
Segundo Castro, ‘‘uma vez contratado, o seguro garante, até a entrega final da chave, o pagamento do aluguel, Imposto Territorial e Predial Urbano (IPTU), água, luz e condomínio, além de honorários advocatícios e custas judiciais. Mas apesar de todas essas vantagens, muitas imobiliárias divulgam pouco o serviço, oferecendo-o apenas como segunda opção’’. Além disso, a idoneidade da modalidade pode vir assegurada também pelo Sindicato da Habitação. Castro comenta que a Interbrasil, por exemplo, ‘‘só faz o seguro através do agente imobiliário, porque temos convênio com o Secovi’’.
O custo do seguro fica em 15% sobre o valor do aluguel e é de responsabilidade do inquilino. O maior público para o serviço são estudantes e pessoas que mudaram recentemente para cidade, já que não conhecem ninguém e encontram dificuldade para apresentar um fiador. ‘‘Quando conseguirmos segurar mais de 55% dos contratos, a taxa cobrada deve cair para 10%’’, adiantou Castro.
A contratação do seguro é feita através de aprovação do cadastro do inquilino – no caso de estudantes, pode ser um dos pais. O resultado sai em 24 horas e as imobiliárias costumam dar um prazo para o interessado apresentar o seguro . ‘‘O ideal, porém, é fazer o cadastro antes de procurar a imobiliária, para chegar lá com o fiador no bolso’’, ressalta o representante comercial.