Volta às aulas durante a pandemia requer atenção, alerta infectologista

Escolas particulares do Norte do Paraná retomam as atividades presenciais mediante liminar concedida pelo TJ, mas médico orienta a não descuidar das medidas sanitárias contra a Covid-19

Simoni Saris - Grupo Folha
Simoni Saris - Grupo Folha

Parte dos estabelecimentos de ensino privados do Norte do Paraná volta a receber estudantes a partir desta segunda-feira (19). As escolas estavam fechadas para aulas presenciais desde março, quando as atividades foram suspensas em razão da pandemia do novo coronavírus. A retomada acontece mediante liminar concedida ao Sinepe/NPR (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Norte do Paraná) pelo TJ-PR (Tribunal de Justiça do Estado), mas infectologista lembra que a pandemia ainda está em curso e alerta que caberá aos pais e educadores a tarefa de orientar e cobrar dos alunos o cumprimento das medidas sanitárias contra a Covid-19. 

Apesar de adoecerem menos, crianças e jovens são carregadores de vírus e podem transmiti-lo para os pais e avós
Apesar de adoecerem menos, crianças e jovens são carregadores de vírus e podem transmiti-lo para os pais e avós | iStock
 


O médico infectologista Arilson Morimoto destaca que em cada faixa etária existem dificuldades de adesão às normas de segurança. Entre os pequenos, falta discernimento para compreenderem a gravidade da situação, o que demanda atenção extra dos pais e, principalmente, dos professores para que as máscaras fiquem sempre sobre o nariz e a boca, as mãos sejam constantemente higienizadas e o distanciamento entre os coleguinhas seja mantido, evitando o contato físico.  




Entre os adolescentes, embora já tenham capacidade para compreenderem os riscos da doença, a dificuldade é convencê-los a adotar um comportamento seguro. “Eles conseguem saber o que é certo e errado, mas o problema é que se acham invencíveis, não acreditam que serão infectados. A obediência às regras vai depender muito de como foram criados”, ressaltou o infectologista.  


O médico lembrou ainda que apesar de adoecerem menos, crianças e jovens são carregadores de vírus e podem transmiti-lo para os pais e avós. “Eles estão entrando em contato com pessoas diferentes. Epidemiologicamente, quem não convive com você é considerado pessoa estranha.” 


As exigências desse novo momento, porém, podem servir como aprendizado às crianças e aos jovens, apontou Morimoto. “Por mais que os pais queiram protegê-los, eles têm que aprender que o mundo não é tão fácil, que impõe regras e eles têm que entender essas regras e compreender que é preciso manter o distanciamento, tomar as medidas de proteção e que têm que ser cuidadosos nas brincadeiras”, orientou o médico. 


Além do papel de educar, às escolas caberá ainda cuidar para que as salas de aula estejam sempre arejadas, reduzir o número de alunos por turma, disponibilizar álcool gel e cobrar o uso de máscaras. “O problema é que tanto os jovens quanto os adultos já estão cansados dessa rotina complicada, meio chata, e a tendência é relaxar. Mas as medidas devem ser mantidas”, disse Morimoto. “A gente estava preparado para correr uma corrida de cem metros, mas já estamos correndo uma maratona”, comparou.  


RETOMADA 

A liminar expedida pelo TJ é válida para os 83 estabelecimentos filiados ao Sinepe/NPR, sendo 54 em Londrina, desde a educação infantil até o ensino superior. Mas segundo o sindicato, nem todos os estabelecimentos de ensino contemplados pela liminar irão retomar as atividades nesta segunda-feira. 


Em sua decisão, o desembargador Marques Cury considerou que “a priori, o auge da pandemia passou, sem que isso signifique, por evidente, que não existam mais riscos”, mas destacou, no entanto, que a reabertura das escolas “deverá ser gradual, escalonada, híbrida e sob o viés acolhedor”. O magistrado também determinou o retorno facultativo, sem prejuízos para os estudantes que não se sentirem confortáveis em retornar ao ambiente escolar.  




Na sexta-feira (16), a Procuradoria-Geral do Município de Londrina protocolou um pedido de recurso junto ao TJ-PR pedindo a suspensão da liminar que autorizou a reaberturas das escolas privadas. No documento, a procuradoria diz “que não se pode negar o potencial lesivo dessa doença, como também a capacidade de surpreender o controle de saúde pública”. Até o fechamento desta edição, o pedido do município não havia sido julgado. As aulas presenciais na rede pública seguem suspensas em Londrina.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo