Rio - Apesar da violência que atingiu o Rio nos últimos dias, não houve registro de turistas cancelando reservas em hotéis na cidade, informou ontem o presidente da Riotur, José Eduardo Guinle. Há preocupação com relação à segurança, mas ela não afeta os preparativos para a festa. ''Há dez anos não vemos uma procura tão grande por hotéis e ingressos no sambódromo. Historicamente, o carnaval é um evento tranquilo. Tem data e local certos, o que facilita a organização.'' A expectativa é receber 380 mil visitantes no período, 40% deles estrangeiros.
A Coordenadoria de Engenharia de Tráfego (CET-Rio), responsável pelas alterações no trânsito, informou que as principais ruas de acesso ao sambódromo, no centro, ficarão fechadas para a passagem dos carros alegóricos e a sinalização será reforçada. Serão mais de 50 pontos de bloqueio, que também levam em conta os locais por onde vão passar os blocos de rua. O Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e a Guarda Municipal vão auxiliar os motoristas. O Metrô funcionará normalmente de 1 a 4 de março.
A 2 Vara da Infância e Juventude estará no sambódromo para recolher menores infratores que possam atrapalhar o evento. Eles serão encaminhados diretamente à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). A Comlurb, responsável pela limpeza da cidade, contará com 2.500 garis para limpar o sambódromo nos dias de festa. No ano passado, a empresa recolheu durante o carnaval 90 toneladas de lixo e a estimativa para esse ano é de 200 toneladas.